terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Publicações:o Evangelho “é feito de encontros”- Padre Nuno Santos



Editora: Diocese de Coimbra 
Tema: Religião 
Ano de Edição: 2018 
Publicações: Sem a esperança o cristianismo é «quase uma proposta inútil» - Padre Nuno Santos - Agência ECCLESIA:
Lisboa, 14 jan 2019 (Ecclesia) – O padre Nuno Santos considera que qualquer um daqueles que se cruzaram com Jesus “não tinha lugar” nas comunidades atuais, mas “Ele acolheu-os a todos”, e sem a vivência da esperança o “cristianismo é quase uma proposta inútil”. Para o sacerdote, da Diocese de Coimbra, que fez uma tese de doutoramento sobre o tema «A esperança que Jesus dá», “não basta falar de esperança” para que esta seja um dado adquirido, mas “é preciso vivê-la e celebrá-la”. O “maior ganho” da esperança “não está na economia e na conquista de um lugar”, como refere o Papa Francisco, tal como outros papas, ao lembrar que “muitas da não adesões são fruto da vivência cristã”. “Antes de se criticar os outros”, os cristãos devem pensar como estão “a viver a esperança”, afirmou. Nos tempos atuais, a sociedade é “muito multifacetada” visto que se “vive num tempo de pós modernidade” e “é muito difícil ter uma leitura unívoca da sociedade”, sublinhou o padre da Diocese de Coimbra, reitor do Seminário Maior. A valorização da pessoa “no sentindo mais individual e egoísta” e das suas “conquistas e objetivos” é percetível e notória na sociedade atual.

A esperança parte “das raízes” e se o mundo de hoje está centrado no “on-line” e “na mobilidade humana”, a vida perde este pilar da raiz.
Para a geração deste padre “a palavra verdade não mobiliza” porque existe “uma perceção da fragilidade permanente da verdade”.
O tempo atual “é um espaço muito evangélico” porque “Jesus falou à verdade de cada um” e da verdade que Ele é “faz um caminho daquela história”, frisou.
Numa época “cheia de notícias falsas” e “inverdades”, as pessoas necessitam de se concentrar “em algo mobilizador” e o cristianismo deve chegar à verdade “através da esperança”, disse.
A esperança “não pode ser teórica” porque é uma “celebração permanente da vida” visto que o Evangelho “é feito de encontros”.
Na investigação para o doutoramento sobre o tema da esperança,  padre Nuno Santos analisou os encontros de Jesus, nos diferentes Evangelhos, concluindo que “Ele dá uma esperança concreta”.
A esperança “não pode ser adiada” porque esta “encaminha para um tempo maior e pleno do que nós”.
Para o autor do estudo «A esperança que Jesus dá», a esperança “não é o lugar da perfeição” mas “do encontro de quem é peregrino”.
PR/LFS

Escovaria de Belomonte, na porta 34 da Rua de Belomonte, no Porto, acima do Douro e a dois passos da Ribeira,

 fabrica escovas à maneira tradicional: à mão, com agulha que cose com linha pequenos montes de pelo em buracos cravados na madeira e no metal. São pelos de cabra e de javali, de crina e rabo-­­de-cavalo, cerda de porco e uma fibra que sai de dentro de um cato mexicano e que é utilizada para escovas de lavar louça e de polir a cera dos móveis.
Rui Rodrigues é um deles. Recebe os pelos na pequena e antiga escovaria e trabalha-os à mão. São escovas para limpar sapatos e roupa, para lavar queijos, cogumelos e fruta, para dar brilho ao ouro, para maquinaria da indústria do calçado, do têxtil, da madeira, da fundição. Escovas para o banho, escovas esfoliantes e coça-gatos com pelo em arco para os bichos se roçarem e deixarem cair a penugem que não interessa. Vassouras só se fazem por encomenda com indicações precisas, ao gosto do cliente, com preços que podem chegar aos oitenta euros.
Rui sabe o peso da responsabilidade, a herança que nasceu com o avô da sua mulher, António da Silva, que começou a fazer vassouras em Massarelos, no Porto, logo que acabou a quarta classe. Fazia-as em casa e vendia-as aos vizinhos. Em 1950, mudou-se para a pequena Rua de Belomonte, onde permanece a loja-oficina, junto ao Largo de São Domingos, 33 metros quadrados com chão de cimento, maquinaria antiga, paredes que perdem tinta aqui e acolá.link

sábado, 12 de janeiro de 2019

livro: Delphine Horvilleur, Féminin, pudeur et judaïsme

Delphine Horvilleur est née à Nancy en 1974. Femme rabbin et journaliste, elle exerce au Mouvement juif libéral de France (MJLF) et dirige la rédaction du magazine Tenou’a. Elle est l’auteur de En tenue d’Eve : féminin, pudeur et judaïsme (Grasset, 2013). Elle officie dans une synagogue du XVe arr. de Paris.


Les discours religieux fondamentalistes expriment une obsession croissante de la pudeur des femmes. Réduite aux parties de son corps susceptibles d'éveiller le désir, la femme est " génitalisée " à outrance. Faut-il la renvoyer à son destin : le voilement ?

Delphine Horvilleur analyse les sens de la pudeur et de la nudité, l'obsession du corps de la femme pour proposer une autre interprétation des textes et de la tradition. Elle met à mal les lectures qui font de la femme un être tentateur, et de la pudeur l'instrument de sa domination.

Ainsi montre-t-elle comment la nudité recouverte d'Adam, d'Ève ou de Noé renvoie à une culture du désir et non à une volonté de le tuer. Comment le voile est à l'origine destiné à approcher l'autre. Comment les hommes endossent, dans la prière et la pratique, les attributs des femmes et du maternel.

Delphine Horvilleur,  Rabbin et directrice de la rédaction du magazine Tenoua est l'auteur de Comment les rabbins font des enfants (Grasset, 2015) et Des mille et une façons d'être juif ou musulman (avec Rachid Benzine, Seuil, 2017).

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

Eaux détox

Contrairement aux idées reçues, les detox water peuvent se consommer toute l’année. «On a plus tendance à en boire l’été car elles renvoient une image estivale. Mais en réalité, cette boisson est bénéfique pour votre corps en toute saison», nous explique Jenna Bitan, diététicienne à Paris (1). Quotidiennement ou occasionnellement, elles se sirotent «plutôt le matin avant le petit-déjeuner», précise la spécialiste. «Rassasiante, l’eau fruitée peut être prise en cas de faim. Cela vous permettra de diminuer la quantité de nourriture dans votre assiette», complète-t-elle.
Côté préparation, c'est assez simple. Remplissez une grande carafe d’eau filtrée et ajoutez-y des fruits, des crudités ou des herbes aromatiques que vous laisserez infuser toute la nuit. «Privilégiez tout de même les fruits qui renferment de nombreuses vitamines», conseille la diététicienne. Il est en outre recommandé d'utiliser des fruits à chair ferme pour ne pas voir flotter des morceaux disgracieux à la surface de l'eau. Au niveau de la conservation, évitez de dépasser les 48 heures pour ne pas perdre les bienfaits de la boisson. Une fois prête, n’oubliez évidemment pas la petite paille rayée dans votre detox water ni la photo Instagram qui va bien.

Eté, hiver, quels aliments employer ?

Si les boissons détox se savourent toute l’année, favorisez les fruits et légumes de saison.
En hiver
Pour la rude période hivernale, vous pouvez parfumer votre eau avec des agrumes, des tranches d’orange, de pamplemousse et de citron, agrémentées ensuite d’herbes aromatiques comme des branches de romarin. Mélangez par exemple l’arôme sucré de la carotte avec l’amertume de l’orange, si vous préférez les saveurs plus douces. N’oublions pas les pommes : jaunes, vertes ou rouges, elles délivreront une essence sucrée à votre boisson.
Au printemps
On débute la routine annuelle avec nos amies les cerises. Régalez-vous avec un petit morceau de gingembre et quelques cerises dénoyautées dans de l’eau minérale. Pour drainer et éliminer les toxines accumulées tout au long de l’hiver, on optera pour les citrons : jaunes, verts ou yuzu.
En été
Le soleil est de retour et avec lui, légumes et fruits rouges à foison. Parfaits pour colorer notre eau détox. On appréciera la fraîcheur des glaçons dansant dans l’eau, autour de tranches de concombre et de morceaux de fraises. Plus festives, des billes de melon, des framboises et quelques feuilles de menthe le tout dans de l’eau gazeuse, à savourer au bord de la piscine.
En automne
Les feuilles tombent, le vent s’installe mais votre motivation, elle, ne déchante pas. Pour une reprise du travail, on fera le plein d’énergie avec des fruits exotiques comme l'ananas, le kiwi ou encore le kaki. Pour ajouter un peu de douceur, pensez à la chair de coco. Délectez-vous de la saveur sucrée du litchi et d'un aromate puissant comme le basilic.

L’eau aromatisée est-elle vraiment healthy ?

Les eaux détox sont un bon moyen de faire le plein de vitamines et de fibres tout en s’hydratant, sans même s'en rendre compte (elles donnent envie de boire de l'eau). Mais évidemment, une eau fruitée n'apporte pas les mêmes bienfaits qu'un fruit dans lequel on croquerait. «Il est vrai que consommer directement le fruit permet d’assimiler dans votre corps toutes les vitamines. Mais, prenez l’exemple du citron, vous ne mangerez jamais cet agrume en croquant directement sa chair. En infusant des tranches dans de l’eau, vous bénéficierez de ses bienfaits tout en vous réhydratant», observe Jenna Bitan. On résume : les eaux détox sont riches en vitamines et en fibres, savoureuses et colorées ; au-delà de la tendance, on comprend mieux pourquoi de nombreuses personnalités healthy ont succombé.
(1) Jenna Bitan est diététicienne à domicile à Paris.
Cet article a fait l'objet d'une mise à jour et a initialement été publié le 27 janvier 2016.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Natal em família: a-aletria-com-ovos-de-maria-de-lourdes-modesto



Não há Natal sem aletria com ovos, e não devia haver cozinha sem este livro de Maria de Lourdes Modesto, uma verdadeira bíblia da gastronomia portuguesa.
Partilhamos consigo uma receita típica para adoçar esta quadra festiva.

Aletria com ovos
Ingredientes | para 4 pessoas

  • 100 g de aletria
  • 4 dl de leite
  • 150 g de açúcar
  • 50 g de manteiga
  • 3 gemas
  • casca de limão
  • canela
Cozinha Tradicional Portuguesa

Coze-se a aletria em água durante 5 minutos e escorre-se.

Em seguida, leva-se o leite ao lume juntamente com a casca de limão, o açúcar e a aletria e deixa-se cozer. Depois de a aletria estar cozida, junta-se a manteiga e, fora do lume, misturam-se as gemas previamente batidas.

Leva-se ao lume apenas para que as gemas cozam ligeiramente.

Serve-se a aletria polvilhada com canela.

https://www.wook.pt/wookacontece/novidades/noticia/ver/a-aletria-com-ovos-de-maria-de-lourdes-modesto/



link

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

17 de dezembro : dia nacional do Butão 2018






13th October - Royal Wedding Anniversary

For the people of Bhutan, our King and Queen embody Dignity and Grace, and all that is sacred and cherished in Bhutan. In Their Majesties’ tireless work that emanates from abiding love and care for the people, we find a fountain of inspiration.

On this special day that is the Royal Wedding Anniversary, our humble offering is a rededication of our body, mind and spirit towards building the great, prosperous nation that His Majesty envisions, and our wish that this wonderful country is forever blessed by Their Majesties’ benevolent guidance.

Do share pictures of how you celebrated this Royal Wedding Anniversary in the comments below.

sábado, 15 de dezembro de 2018

O Natal 2018

Qual o dia certo para montar a árvore de Natal e o presépio O comércio dá início às vendas de enfeites com bastante antecedência mas há uma tradição que determina o momento certo de iluminar a casa






Com a chegada do mês de novembro e a movimentação das lojas com a venda de enfeites natalinos, há aqueles que já começam a pensar na decoração da casa para as festa de fim de ano. E há inclusive, quem já comece a colocar pisca-pisca, enfeites pela casa e até montam a árvore de Natal. Mas sabia que há uma ordem para que aconteça a preparação da casa para esse evento?
Na liturgia católica o advento é o período de preparação para essa festa, que começa no quarto domingo antes do Natal. Logo, o início do advento seria o momento mais adequado para decorar a casa e montar a árvore.
A montagem acontece de forma gradativa, pois é como a preparação para a celebração do nascimento de Jesus. A colocação de enfeites deve ser intensificada a partir de 17 de dezembro (momento em que as leituras bíblicas começam a falar do nascimento de Jesus). O Sempre Família conversou com o doutor em teologia Luciano Gomes dos Santos, que explicou os significados de cada símbolo do Natal:
Árvore – significa a vida, símbolo da vida, nascimento, crescimento e união;



Bolas e Guirlanda – representam os frutos que desejamos alcançar e a prosperidade na vida;
Velas e luzes – Jesus é a Luz que veio iluminar a humanidade que caminhava nas trevas, trazendo a esperança ao povo;
Presentes – simboliza o presente de Deus à humanidade, ou seja, Jesus doa-se à humanidade revelando o amor do Pai a todos.

Presépio
De acordo com fontes históricas, o primeiro presépio foi montado por São Francisco de Assis no Natal de 1223. O frade católico montou o presépio em argila na floresta de Greccio (comuna italiana da região do Lácio). Sua ideia era explicar para as pessoas mais simples o significado de como foi o nascimento de Jesus Cristo. No século XVIII, a tradição de montar o presépio dentro das casas das famílias se popularizou pela Europa e, logo em seguida, por outras regiões do mundo.
A palavra presépio refere-se ao local onde o gado é colocado ao ser recolhido, em outras palavras, refere-se ao curral. Geralmente as famílias montam o presépio e só colocam Jesus na noite do dia 24/12 para o dia 25/12. A manjedoura fica vazia. Outras pessoas deixam tudo montado já na primeira semana do advento. Isso depende dos costumes das famílias e das comunidades cristãs.




Bigstock
Existe uma ordem também para a montagem do presépio aqui orientada por Luciano Santos:
1.º – Estrela de Belém: simboliza a luz de Deus que guia ao encontro do Salvador e orientou os Reis Magos para onde estava Jesus. É a indicação do caminho que se deve percorrer para encontrar o Menino Jesus.
2.º – Anjo (responsável por anunciar a chegada de Jesus): representa o céu que celebra o nascimento de Jesus. É o mensageiro de Deus, comunicador da Boa Notícia. O anjo do presépio normalmente segura uma faixa com a frase: Gloria in excelsis Deo, que significa: Glória a Deus nas alturas.
3.º – Manjedoura com palhas em um curral: é local onde nasceu Jesus.
4.º – Virgem Maria (mãe de Jesus Cristo): é a escolhida para ser a mãe do Salvador. Aquela que disse “sim” à vontade de Deus e, por ela, a humanidade recebeu Jesus.
5.º – José (pai de Jesus Cristo): é o pai adotivo de Jesus, o homem que o assumiu como filho, que lhe deu um nome, um lar, que ensinou a Jesus uma profissão, a de carpinteiro. José deu ao Menino Jesus a experiência de ser filho de um pai terreno.
6.º – Reis Magos: Melchior, Gaspar e Baltazar eram homens da ciência. Conheciam astronomia, medicina e matemática. Eles representam a ciência que vai até o Salvador e o reconhecem como Deus. Segundo São João Paulo II, “a verdadeira ciência nos leva à fé”, pois nos revela a grandeza da criação. Os presentes que os magos oferecem ao Menino Jesus também têm significados. O ouro significa a realeza; era um presente dado aos reis. O incenso significa a divindade, um presente dado aos sacerdotes. Sua fumaça simboliza as orações que sobem ao céu. Dando esse presente a Jesus, os magos reconhecem que o Menino é divino. E a mirra simboliza o sofrimento e a eternidade. É um presente profético: anuncia que Jesus vai sofrer, mas também que seu reinado será eterno.

7.º – Burro e Boi ou ovelhas: animais do curral, representam a simplicidade do local onde Jesus nasceu. Os animais representam a natureza a serviço do homem e de Deus. No nascimento de Jesus forneceram calor ao local e simbolizaram a simplicidade do local onde Jesus quis nascer.
8.º – Pastores: representam a simplicidade das pessoas do local em que Jesus nasceu. Depois de Maria e José, os pastores foram os primeiros a saberem do nascimento do Salvador. Eles simbolizam a humildade, pois naquele tempo a profissão de pastor era uma das menos reconhecidas.
9.º – Menino Jesus: filho de Deus e o Salvador. É o Filho de Deus que Se fez homem, para dar sua vida pela humanidade. “Sendo ele de condição divina, não Se prevaleceu de Sua igualdade com Deus, mas aniquilou-Se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-Se aos homens” (Filipenses 2, 6-7).
“Considerando todos os elementos acima, Jesus é o último a ser colocado na Manjedoura na noite do dia 24 para o dia 25 de dezembro”, conta Santos. Mas, na prática, muitas famílias já deixam o presépio todo montado desde 30 de novembro. Para o teólogo tanto a montagem da árvore de natal quanto do presépio simbolizam a união da família em torno da fé cristã. “O ato de preparar a árvore possibilita a experiência da convivência e do trabalho em família por um objetivo comum. A árvore é sinal de uma grande festa que irá ocorrer, ou seja, o Natal.

O presépio mantém acessa a chama da fé cristã na encarnação do Filho de Jesus. Esse momento para as famílias recorda a simplicidade, o perdão, o amor, a amizade, a fé num Deus que se fez humano para elevar à humanidade a glória de Deus. É tempo de encontro entre as famílias e de celebrar a vida de Deus em nossas vidas com nossas alegrias e dores”, finaliza. 

 Dicas
  • Depois de escolher a árvore (seja natural ou artificial) forre o pé do pinheiro com um tecido de cor única ou estampado com tema de Natal. Isso dará melhor acabamento ao todo.
  • Separe as luzes pisca-pisca. Desenrole os fios e comece a espalhá-los pelos galhos de baixo para cima, dando a volta na árvore. Intercale o fio com os galhos.
  • Agrupe os enfeites por tipo (laços, bolas, bonecos, caixinhas de presente, bengalas etc.) para visualizar melhor a quantidade de cada um e planejar a distribuição de forma equilibrada.
6 dicas para transmitir a verdadeira história do Natal às crianças
  • Os primeiros a serem pendurados serão os enfeites de maior volume como laços, bonecos… Tente manter a mesma distância entre cada um. Use fios de arame para prendê-los nos galhos. Mas cuidado para não colocá-los muito na ponta, pois poderão cair.
  • Hora de colocar as bolas. Comece posicionando-as embaixo dos laços, depois as espalhe pelos espaços vazios. Lembre-se de equilibrar as cores.
  • De tempos e tempos, afaste-se um pouco mais para ver a árvore por inteira e identificar espaços vazios. Neles posicione os demais enfeites menores.
  • Finalize a decoração posicionando a ponteira (ou algo que faça esse papel).
  • No dia 6 de janeiro (Festa da Epifania, ou seja, da manifestação de Jesus ao três Reis Magos e a toda a humanidade), de acordo com esta tradição, é o dia de desmontar a árvore de Natal.

lembrar a praia do Meco ou Praia do Moinho de Baixo



1. A praia do meco nunca seria um destino de famílias com filhos. De manhã estava quase sempre vazia. houve um primeiro grupo de hippies, composto por alemães, franceses e americanos, e o naturismo foi-se tornando normal para os locais.
 2. depois foi a morte de seis estudantes na praia do Meco, domingo, 15 de dezembro de 2013.

3. Na madrugada de 14 para 15 de dezembro de 2013, seis jovens universitários morreram, levados pelas ondas da praia do Meco. Cinco anos depois, os pais falaram comigo e o que deixam são testemunhos comoventes, únicos e verdadeiros. Há muitas perguntas: como se faz o luto de um filho; os amigos ficam ou desaparecem; e a família está presente na dor ou também foge… são cinco episódios para ver a partir de hoje no Jornal das 8, TVI.
Judite Sousa

                        4. Acreditar no céu, em DEUS, ajuda muito É a confiança de que crianças que morrem jovens vão para o céu.

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

frase do dia: fundamentalismo

"Como tantas vezes Amos Oz tem explicado, o fanatismo combate-se dialogando, desenvolvendo a curiosidade, a empatia e a compaixão. Colocar-se no lugar do outro – perguntando: “E se eu fosse ele?” – é algo que um fanático nunca faz. 
 
Também a arte e o humor enfraquecem o fanatismo. “Nunca encontrei fanáticos com sentido de humor”, escreve Amos Oz, acrescentando: “Nunca vi que alguém capaz de se rir de si próprio se tenha tornado fanático.”

Amos Oz, Caros Fanáticos. Fé, fanatismo e convivência no século XXI
Publicações D. Quixote, Alfragide, 2018
Tradução: Lúcia Liba Mucznik

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

livro: O Século dos Prodígios, Onésimo Teotónio Almeida - Livro - WOOK




O Século dos Prodígios, Onésimo Teotónio Almeida - Livro - WOOK:

A Ciência no Portugal da Expansão_ os portugueses sempre souberam que  a terra era redonda e que existia a américa. lembremos que O Livro de Mórmon fala de Jesus Cristo ressuscitado e de sua visita a seus seguidores fiéis na América antiga. Após as visitas a Seus discípulos em Israeel, Ele desceu do céu e apareceu a Seus seguidores na América antiga.
O Livro de Mórmon descreve o modo como, durante Sua visita, Jesus Cristo curou os enfermos, ensinou Seu evangelho, abençoou as crianças e chamou doze discípulos para organizar Sua Igreja nas Américas (3 Néfi 11:18; 3 Néfi 12:1–2).

Neste livro, Onésimo Teotónio Almeida presta especial atenção aos séculos XV e XVI, afastando-se de qualquer perspectiva nacionalista, na qual alguns historiadores portugueses incorrem, ora pecando por excesso, ao exagerarem as nossas pretensões em matéria de ciência, ora por defeito ao ignorarem o papel que de facto tivemos. Ao mesmo tempo, tenta corrigir a historiografia anglo-americana que não prestou a devida atenção ao ocorrido em Portugal nesse período. Com efeito, durante o final da Idade Média foram surgindo em Portugal sinais de um inovador interesse pela natureza e pelo conhecimento empírico dela, assim liderando um dos grandes momentos de viragem na História da Ciência. Este livro é uma revisitação dos anos de ouro da história portuguesa: O Século dos Prodígios é a revelação de como no nosso país, durante o chamado período da Expansão, surgiu e cresceu um núcleo duro de pensamento e trabalho científico verdadeiramente pioneiro, sem o qual as viagens desses séculos teriam sido impossíveis.
O mais recente livro de Onésimo Teotónio Almeida é uma das mais importantes obras de historiografia portuguesa dedicada ao período da Expansão Ultramarina portuguesa das últimas décadas. Profundo conhecedor da produção historiográfica estrangeira, nomeadamente a norte-americana, o autor contextualiza o contributo dos portugueses para a Revolução Científica de uma forma precisa porque apoiada na análise, muitas vezes comparativa, entre os escritos dos matemáticos e navegadores e as obras tidas como pioneiras no dealbar da ciência moderna. Com uma escrita fluida e envolvente, Onésimo não defende a conhecida rutura epistemológica, defendida por Joaquim Barradas de Carvalho, provocada pelos portugueses, mas guarda um papel determinante, ainda hoje esquecido por diversas razões - uma delas é o desconhecimento da língua portuguesa nos meios académicos de expressão inglesa - de homens como João de Castro ou Pedro Nunes, no panorama mais geral do conhecimento do mundo. Leitura obrigatória para o grande público e para a academia. 

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

livro: o salva vidas da ribeira

10-2018 Editor: Edições Vieira da Silva um homem que com o seu pequeno barco tenta salvar todos aqueles que caiem ao rio douro. É um anjo da guarda da ribeira.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Sobreviver (autografado)*, Eduardo Barroso - Livro - WOOK


11-2018


Sobreviver (autografado)*, Eduardo Barroso - Livro - WOOK: Compre o livro «Sobreviver (autografado)*» de Eduardo Barroso (26 janeiro de 1949-)

Num livro confessional e revelador, Eduardo Barroso, um dos mais proeminentes cirurgiões portugueses, fala-nos de uma vida dedicada à medicina e à cirurgia. Conta-nos o que se vive no lado menos conhecido dos hospitais, nos momentos mais dramáticos e nos mais caricatos.

"Quando nos toca a nós, as certezas e os dogmas parecem em castelo de cartas. Não resistem ao mais pequeno sopro."

"Às vezes os médicos precisam de passar para o outro lado da barricada, para valorizarem muitas das coisas por que têm de passar os seus doentes."

agora trabalha para a CHAMPALIMAUD CLINICAL CENTRE

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Acceptance Little Buddha

um filme Bernardo Bertolucci (Parma, 16 março 1941Roma, 26 novembro 2018)

President George H. W. Bush (1924- novembro 2018)


https://www.vetdogs.org/AV/Contribution/sully.aspx

cão: missão cumprida

America's VetDogs would like to share the following:


America’s VetDogs is deeply saddened to learn of the passing of George H.W. Bush, the 41st president of the United States. We were truly honored to have placed Sully, a specially-trained 2-year-old yellow Labrador Retriever service dog, with the president in June of 2018, who was specifically matched with him to provide support during his daily activities. 

Later this week, Sully will return back to America’s VetDogs in Smithtown, New York for a temporary stay throughout the holiday season before joining the Walter Reed National Military Medical Center’s Facility Dog Program. Sully will be working alongside fellow VetDogs facility dogs SGT Dillon and SGT Truman who are there to assist with physical and occupational therapy to wounded soldiers and active duty personnel during their journey to recovery at Walter Reed Bethesda.


Chama-se Sully, tem dois anos e é um labrador. Era o cão que ajudava o antigo presidente dos EUA George H. W. Bush que morreu na sexta-feira, aos 94 anos. O labrador era considerado um companheiro inseparável do 41.º presidente dos EUA, desde que que a mulher, Barbara Pierce Bush morreu (junho 1925-abril 2018)

 De acordo com a CNN, Sully estava especialmente treinado para acompanhar o ex-presidente; até para lhe atender o telefone ou ir buscar objetos de que o presidente precisava. Contudo, agora é tempo de o labrador voltar ao “serviço”, em nome da associação de caridade America’s VetDogs, de modo a dar apoio a outros veteranos de guerra. Sully vai, assim, seguir para o hospital militar Walter Reed National Military Medical Center para ser entregue a outra família. Sully vai viajar ao lado do caixão do antigo presidente rumo a Washington. O seu nome foi escolhido em homenagem ao piloto de aviões Chesley B., “Sully Sullenberger III”, que se tornou conhecido por amarar um avião no rio Hudson, em 2009, salvando todos os passageiros a bordo. No total, eram 155 pessoas.


o Dalai Lama encontrou-se com  o President George H. W. Bush Pai  em  April 17, 1991.
ouvir o podcast:  The Wisdom Podcast - Elsie Walker: The Dalai Lama and the Presidents Bush | Wisdom Publications

domingo, 25 de novembro de 2018

o ultímo livro de Pedro Rolo Duarte (1964 – 2017)

05-2018 Editor: Manuscrito Editora
Pedro Rolo Duarte (1964 – 2017) foi, durante três décadas, um dos grandes nomes do jornalismo português.
Quem sabe que Pedro Rolo Duarte morreu o ano passado vítima de cancro não espere deste livro um relato da sua jornada na luta contra a doença. Ela não é omitida, até é referida algumas vezes de forma desassombrada, mas «Não respire» é essencialmente um livro de memórias. Há aqui memórias de infância, das brincadeiras na aldeia do Penedo. Memórias dos pais, irmãos, amigos e colegas. Memórias dos tempos de juventude e de como o jornalismo sempre lhe correu nas veias. Memórias de publicações emblemáticas como a revista K e DN. Memórias de programas de rádio e de televisão. Memórias e textos dedicados ao filho de quem tinha um orgulho enorme. este livro gera antes alguma nostalgia e muitos sorrisos e risos perante alguns episódios que Pedro Rolo Duarte evoca. Vale muito a pena conhecer a vida deste homem que viveu apenas 53 anos mas que consegue ainda assim contar-nos tanta coisa interessante.
Teve sorte o filho António de acompanhar o pai nos seus últimos serões, na mesa da sala, o pai a escrever, o filho a estudar. Depois ajudou a editar este ultimo livro, promoveu-o contando pequenas histórias, por ex: que PRD gostava de cozido e era capaz de guiar kms para comer um bom cozido à portuguesa. O antónio teve sorte. disse adeus ao pai. herdou os amigos e os escritos do pai.

o facebook tem o seu memorial: https://www.facebook.com/pedro.roloduarte?ref=br_rs
o seu blog continua on line: https://pedroroloduarte.blogs.sapo.pt/
um ex:
Há muito tempo que percebi que quase nada se repete - e quando digo “quase nada”, refiro-me ao mais simples, porém intenso, da vida: o cheiro da terra molhada do Penedo, o mar da Praia Grande sob o olhar do meu pai, a cor do céu quando anoitece em Lisboa. Conseguimos muito raramente uma aproximação, mas não voltamos onde estivemos. Tudo mudou entretanto, mesmo quando nos parece ter ficado igual.
Penso muito neste não-regresso - que é uma não-verdade, mas ao vivo… - quando tenho a tentação de reencontrar sabores de infância e juventude.

e sobre a mãe de MEC: https://pedroroloduarte.blogs.sapo.pt/morrer-renascer-morrer-um-bocadinho-416192

Agora, que já passaram alguns dias, consigo escrever sobre aquilo a que assisti, em pouco tempo, no enterro da sua mãe: a vida, a lucidez, o sentido de observação e as lições imediatas que o meu amigo maior Miguel Esteves Cardoso conseguiu tirar, racionalizar, verbalizar e partilhar com os que o rodeavam, por breves instantes que fossem, fizeram com que aquele momento triste e sem jeito se transformasse em vida para lá da morte, em prolongamento e consequência, em sentido mesmo do que por natureza não tem sentido. Conseguimos rir, chorar, comover-nos. Conseguimos sentir leveza no peso, e perceber o peso na aparência da leveza.”

sábado, 24 de novembro de 2018

livro: Sorcières La puissance invaincue des femmes Mona CHOLLET

"If you are a woman and dare to look within yourself, you are a Witch. You make your own rules. You are free and beautiful. You can be invisible or evident in how you choose to make your witch-self known." _quando uma mulher deixou de poder ser queimada, passsou a ser controlada calando-a ou fechando-a num hospital psiquiátrico. Women's International Terrorist Conspiracy from Hell

Sorcières
La puissance invaincue des femmes

Mona CHOLLET

septembre 2018 Mona Chollet est journaliste au Monde diplomatique. Elle est notamment l’auteure de Beauté fatale. Les nouveaux visages d’une aliénation féminine et de Chez soi. Une odyssée de l’espace domestique (Zones, 2012 et 2015).
 
Qu’elles vendent des grimoires sur Etsy, postent des photos de leur autel orné de cristaux sur Instagram ou se rassemblent pour jeter des sorts à Donald Trump, les sorcières sont partout. Davantage encore que leurs aînées des années 1970, les féministes actuelles semblent hantées par cette figure. La sorcière est à la fois la victime absolue, celle pour qui on réclame justice, et la rebelle obstinée, insaisissable. Mais qui étaient au juste celles qui, dans l’Europe de la Renaissance, ont été accusées de sorcellerie ? Quels types de femme ces siècles de terreur ont-ils censurés, éliminés, réprimés ?
Ce livre en explore trois et examine ce qu’il en reste aujourd’hui, dans nos préjugés et nos représentations : la femme indépendante — puisque les veuves et les célibataires furent particulièrement visées ; la femme sans enfant — puisque l’époque des chasses a marqué la fin de la tolérance pour celles qui prétendaient contrôler leur fécondité ; et la femme âgée – devenue, et restée depuis, un objet d’horreur.
Enfin, il sera aussi question de la vision du monde que la traque des sorcières a servi à promouvoir, du rapport guerrier qui s’est développé alors tant à l’égard des femmes que de la nature : une double malédiction qui reste à lever.
Version papier : 18 €
Version numérique : 12,99 €

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

livro: Émile Servan-Schreiber

24/10/2018
Les groupes ont leur propre intelligence  ; on sait depuis peu mesurer leur QI. Mais pourquoi les groupes plus féminins sont-ils plus sagaces  ? Comment invoquer la sagesse d’une foule en évitant les pièges du conformisme ? Pourquoi la diversité nous rend-t-elle plus intelligents  ? Comment notre intelligence «  supercollective  » rend-elle nos entreprises plus performantes  ? Comment l’utiliser pour revitaliser notre démocratie  ? Et pourquoi les espions américains s’y intéressent-ils autant  ?

Autant de questions auxquelles Émile Servan-Schreiber apporte des réponses surprenantes et stimulantes, en s’appuyant sur les dernières découvertes scientifiques et une longue pratique de terrain. À l’aide d’exemples concrets –  de Boeing à Macron, en passant par l’intelligence artificielle et la CIA  –, il révèle l’immense potentiel de nos intelligences groupées et organisées.


Docteur en psychologie cognitive (Carnegie Mellon), Émile Servan-Schreiber a été journaliste et ingénieur en intelligence artificielle. Depuis vingt ans, à la tête de Lumenogic et d’Hypermind, il partage son temps entre la recherche sur l’intelligence collective et ses applications pratiques au service d’entreprises et de gouvernements. link

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

"À fond la gomme !"


1496, Haïti. Sous un soleil de plomb, un homme observe avec attention deux équipes se faire face. Elles disputent un match consistant à se renvoyer, à l’aide de différentes parties du corps (pied, torse), une balle rebondissante.

Or, cette dernière intrigue particulièrement le célèbre explorateur Christophe Colomb. Il n’a jamais vu un tel matériau : souple, élastique et très résistant !
Vous n'arrivez pas à voir les images ? Contactez-nous sur jean@artips.fr
Récolte du latex sur un hevea brasiliensis au Cameroun, photo : PRA
Voir en grand

Il provient d’un arbre hevea brasiliensis aussi nommé "arbre à caoutchouc". Une simple entaille dans le tronc permet d’en extraire une sorte de liquide visqueux et blanc comme du lait : le latex.

C’est en chauffant ce dernier que les Haïtiens parviennent à fabriquer des objets élastiques, comme la balle de jeu. Pratique !








Vous n'arrivez pas à voir les images ? Contactez-nous sur jean@artips.fr
Gommes à effacer, photo : jacksonsart
Tellement pratique que des barriques entières de latex vont rapidement être envoyées en Occident pour être exploitées.

Malheureusement, personne ne parvient à en tirer grand chose… Dès qu’il est soumis à de hautes températures, le caoutchouc fond, et il se casse à basse température. Le seul usage qu’on lui trouve alors est la gomme à effacer.

Retrouvez-nous sur notre site www.sciencetips.fr


quinta-feira, 15 de novembro de 2018

livros.fr_ Faites Danser Votre Cerveau de Lucy Vincent

09-2018 Editor: ODILE JACOB Idioma: Francês
La raison nous dit qu’il faut bouger davantage pour notre santé mais beaucoup ont du mal à se raisonner pour passer à l’acte. Mais le fait-on de la bonne manière ? Neurobiologiste et auteure Lucy Vincent s’est consacrée pendant plusieurs années à la vulgarisation de la science de haut niveau à la suite de recherches au CNRS sur la plasticité du cerveau. Elle a pour cela animé des émissions de radio et publié une série de livres parus chez Odile Jacob. Elle a également été Directrice Générale des Affaires Extérieures des laboratoires Servier lors de la crise du Médiator en 2011. Après une courte formation de danse, elle est aujourd’hui à l’origine de la création de séquences de mouvements dansés, conçues pour produire des effets centraux bénéfiques pour le bien-être physique et mental, la motivation, la concentration, la confiance, la créativité, l’esprit d’équipe et le contrôle du poids. This talk was given at a TEDx event using the TED conference format but independently organized by a local community. Learn more at
https://www.ted.com/tedx
La danse est une activité qui permet de booster son corps, mais aussi son cerveau.Partant des progrès réalisés par la neurobiologie au cours de ces vingt dernières années, Lucy Vincent nous explique ici en quoi la coordination de mouvements complexes au rythme de la musique stimule nos connexions cérébrales, en même temps qu’elle préserve notre santé et renforce notre estime de soi.Vie stressante, épuisement psychique, troubles de l’humeur, difficultés relationnelles, kilos en trop… : il n’y a guère de problème qui reste insensible à la pratique régulière de la danse !Neurobiologiste, Lucy Vincent est l'auteur de plusieurs ouvrages qui ont été de très grands succès, parmi lesquels Comment devient-on amoureux ? et L’Amour de A à XY.