quinta-feira, 15 de novembro de 2018

livros.fr_ Faites Danser Votre Cerveau de Lucy Vincent

09-2018 Editor: ODILE JACOB Idioma: Francês
La raison nous dit qu’il faut bouger davantage pour notre santé mais beaucoup ont du mal à se raisonner pour passer à l’acte. Mais le fait-on de la bonne manière ? Neurobiologiste et auteure Lucy Vincent s’est consacrée pendant plusieurs années à la vulgarisation de la science de haut niveau à la suite de recherches au CNRS sur la plasticité du cerveau. Elle a pour cela animé des émissions de radio et publié une série de livres parus chez Odile Jacob. Elle a également été Directrice Générale des Affaires Extérieures des laboratoires Servier lors de la crise du Médiator en 2011. Après une courte formation de danse, elle est aujourd’hui à l’origine de la création de séquences de mouvements dansés, conçues pour produire des effets centraux bénéfiques pour le bien-être physique et mental, la motivation, la concentration, la confiance, la créativité, l’esprit d’équipe et le contrôle du poids. This talk was given at a TEDx event using the TED conference format but independently organized by a local community. Learn more at
https://www.ted.com/tedx
La danse est une activité qui permet de booster son corps, mais aussi son cerveau.Partant des progrès réalisés par la neurobiologie au cours de ces vingt dernières années, Lucy Vincent nous explique ici en quoi la coordination de mouvements complexes au rythme de la musique stimule nos connexions cérébrales, en même temps qu’elle préserve notre santé et renforce notre estime de soi.Vie stressante, épuisement psychique, troubles de l’humeur, difficultés relationnelles, kilos en trop… : il n’y a guère de problème qui reste insensible à la pratique régulière de la danse !Neurobiologiste, Lucy Vincent est l'auteur de plusieurs ouvrages qui ont été de très grands succès, parmi lesquels Comment devient-on amoureux ? et L’Amour de A à XY.

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

livre.fr_ Claire-Marie Le Guay La vie est plus belle en musique



La vie est plus belle en musique


«La musique est partout, pour qui la cherche, l’écoute, la reconnaît. Elle est cette présence vitale qui remplit l’espace et ne demande qu’à être révélée.
Au fil de ces pages, je vous parle de la place de la musique dans l’Histoire, de son rôle dans notre société et de sa présence dans nos vies.
Je vous suggère des clés pour l’écoute et la découverte de nombreux chefs-d’œuvre et vous invite à y puiser vos propres émotions.
Mélomane averti, amateur éclairé ou néophyte curieux, je vous propose à travers ce livre une balade musicale personnelle et partage avec vous ma passion. Car j’en suis convaincue, la vie est plus belle en musique!»
Claire-Marie Le Guay.


  • Paru le 07/11/2018

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

livro.fr_ Idiss de Robert Badinter \Jean-Claude Carrière La Vallée du Néant

10-2018 Robert Badinter vient de publier un livre intitulé « Idiss », du nom de sa grand-mère, publié aux Editions Fayard. L'ancien ministre de la Justice évoque pour la première fois sa famille, et plus particulièrement sa grand-mère. Il revient sur le parcours de sa grand-mère, des ghettos russes aux lumières de Paris, pour celle qui a fuit l'antisémitismes pendant tout le XXe siècle. https://www.youtube.com/watch?v=6-wtaJ68d_E
Nous en venons et nous y retournons. Pourtant, nous ne pouvons rien en dire. Le néant – qui n’est ni le rien, ni le vide – reste l’inconnu fondamental, le non-être, sans sensation, sans conscience et sans mémoire.

Pour m’en approcher, prudemment, je me suis lancé dans une promenade, un peu au hasard des chemins, en reprenant un vieux thème persan. J’ai voulu voir comment d’autres ont réagi, ici ou là, dans l’histoire du monde, au plus secret, au plus insistant des mystères. J’ai découvert, au passage, plusieurs attitudes, qui peuvent paraître contradictoires. Chacun peut choisir.

C’est banal à dire, nous sommes tous emportés par un mouvement irrésistible. Il est notre maître, et nous savons où il nous conduit. Rien ne reste, rien ne revient. Pour peupler ce passage où il n’y a « rien » (« N’y a-t-il rien dans ce rien ? » se demandait Chateaubriand), nous avons, au long des siècles, imaginé toute une farandole de monstres, de vapeurs, de fantômes, des hurlements, dont un grand nombre sont évoqués ici.

Avec quelques questions inévitables : comment nous protéger du désespoir et de la vanité de toutes nos vies, si nous n’en devons rien garder ?

Comment, peut-être, en tirer une force, et même une joie ?
Pourquoi rire ? Pourquoi pleurer ?
Et pourquoi rêver d’immortalité ?

Scénariste, dramaturge, écrivain, Jean-Claude Carrière est l’auteur de grands succès comme Einstein, s’il vous plaît, Fragilité, Tous en scène et, plus récemment, Croyance et La Paix. link
uma musica: Pourquoi? Op. 12  Robert Schumann composed in about 1832. played by Thu-Hang
https://www.youtube.com/watch?v=rXUp1B-u7hU

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

A Imperatriz que Veio de Portugal, Mercedes Balsemão - Livro - WOOK

A Imperatriz que Veio de Portugal, Mercedes Balsemão - Livro - WOOK: Compre o livro «A Imperatriz que Veio de Portugal» de Mercedes Balsemão


abril 2013_Isabel concretizava o sonho porque esperara toda a sua vida. Na alegre e imponente cidade de Sevilha, a infanta portuguesa, filha de D. Manuel I, viu pela primeira vez o seu marido. Carlos V, rei da Hispânia e imperador do Sacro Império Romano-Germânico, o soberano mais poderoso de toda a Cristandade. O amor nasceu naquele mesmo instante e durou toda a sua vida, até a morte a arrebatar, sem piedade, com apenas 36 anos depois de mais um acesso de febre, consequência de um último parto mal sucedido. Carlos V não escondeu a dor da sua perda. Não voltaria a casar, abdicando da Coroa de Castela para seu filho. Aclamada por todos como a mulher mais bela da sua época, Isabel exerceu na perfeição a sua função de rainha, mulher e mãe. Foi regente de Castela durante as prolongadas ausências do marido pela Europa, mostrando inteligência e perspicácia na resolução das questões do reino. Culta, musa de poetas e pintores desenvolveu uma intensa atividade cultural na corte. Engravidou seis vezes, tendo apenas sobrevivido três dos seus filhos. O mais velho, único varão, assumiria o trono de Castela como Filipe II, Filipe I de Portugal. Na sua primeira incursão pela escrita de romances, e depois de uma exaustiva pesquisa, Mercedes Balsemão traça-nos o retrato desta magnífica infanta portuguesa, mulher do Renascimento. Na Europa do século XVI, palco de batalhas, guerra, alianças e traições, em plena reforma religiosa, D. Isabel tornou-se numa protagonista do seu tempo.


terça-feira, 6 de novembro de 2018

frase do dia do web sumit 2018

Alexis Ohanian (Reddit - site de notícias sociais )  aconselha que se esteja atento a quem se tem à nossa volta: “Se estiveres aqui com cinco amigos que não te inspiram, devias pensar em substituí-los. Devias estar a ser inspirado por eles. Não estejas com pessoas que não te tornem melhor”.

nota : é casado com Serena Williams, que acusou um árbitro português de "sexismo" e foi multada em 17 mil dólares pela Associação de Ténis dos Estados Unidos.

como passear no campo revoluciona o dia a dia



1941, Alpes suisses. De retour chez lui, après une partie de chasse, l’ingénieur George de Mestral(suiça 1907-1990) retire laborieusement les dizaines de petites boules végétales accrochées à ses vêtements. Même son chien n’y a pas échappé…
Ce faisant, il ne peut s’empêcher d’être intrigué par leur surprenante résistance. Ces agaçantes petites boules sont les fruits d’une plante appelée bardane (Arctium lappa)

nasce o velcro.nome por inspiração em duas palavras francesas: velours (que significa veludo) e crochet (que significa gancho).

Il lui faudra finalement 10 années (en collaboration avec l’Institut Textile de France de Lyon) pour mettre au point son invention.Racontée par Philippe Lecocq link

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

MIRANDELA, ROMEU, Restaurante Maria Rita

http://www.quintadoromeu.com/index.php?p=paginas&op=restaurante       























































































































site: https://www.cm-mirandela.pt/pages/730

Quinta Jerusalém do Romeu - Romeu
5370-620 Mirandela
Telefone: 278 939 133
Fax: 78 939 133

URL: www.quintadoromeu.com

Abre das 12 horas às 17 horas e por vezes é preciso avisar a pessoa responsável para o abrir, que vive bem perto. Está fechado às segundas e quartas de tarde.

Está localizado na aldeia do Romeu (Quinta Jerusalém do Romeu) e é uma colecção particular de antiguidades e de inúmeros objectos curiosos recolhidos pelos membros da família Menéres, entre os quais se encontram carros antigos (um Ford T de 1909), exemplos das primeiras máquinas fotográficas, bicicletas, biciclos, relógios, máquinas de costura, apetrechos de lagares de azeite e de vinho, carros de cavalos, grafonolas e uma das juke-boxes mais antigas do mundo.
imagem
É um espaço simples onde ainda se encontram expostos testemunhos da vida rural da localidade e da região.
Foi preponderante a acção e a generosidade da D. Maria Isabel Bacelar para a abertura do Museu de Curiosidades.

Falar do museu é falar também do Restaurante Maria Rita, um dos mais conhecidos da região, e da Sociedade Clemente Menéres e sua família.

De pedras fez terra: um caso de empreendedorismo e investimento no Nordeste Transmontano (Clemente Meneres)

Na segunda metade do século XIX, Clemente Menéres, oriundo da Vila da Feira, negociava em vinhos e cortiças nos mercados do norte da Europa e do Brasil. Anteriormente já tinha vivido algum tempo nessa ex-colónia e viajado pela Europa, Médio Oriente e Norte de África.

Em 1874 visita pela primeira vez Trás-os-Montes á procura de sobreiros que constava por lá haver e que não eram explorados. De pronto compra os que encontra e que se situavam nas terras incultas onde não de dava mais nada.

Cria assim a Quinta do Romeu, que depois originou a Sociedade Clemente Meneres, Lda, com sede no extinto Convento de Monchique no Porto (séc. XV/XVI), comprado em hasta pública em 1872.

Apesar de falecer, faz a referida sociedade por quotas com os filhos, com o objectivo de manter indivisas as suas propriedades dado que a transmissão das quotas só podia ser feita aos seus descendentes directos. Sucedeu-lhe seu filho José Meneres que continua o seu trabalho. Cria a Confraria de Nossa Senhora de Jerusalém do Romeu para zelar por um Santuário do século XVI que seu pai encontrara abandonado e reconstruíra. Funda a Cooperativa Por Bem para abastecer por mercearia quem lá vivia e uma Casa do Povo com consultório médico, farmácia e biblioteca, onde também se fez teatro e passaram filmes, numa Máquina Cinematógrafo de 1912 que trabalhou no Cinema Pathé, no Porto, e no Cinema Afonso Sanches em Vila do Conde.

Depois de José falecer, o seu irmão Manuel dá novo impulso ao Romeu, melhorando as condições de vida dos habitantes de Vale de Couço, Vila Verdinho e Romeu, com a colaboração íntima do Prof. J. Vieira Natividade. Cria uma creche e um jardim de infância e faz o Restaurante Maria Rita e o Museu de Curiosidades.

Actualmente a Sociedade Clemente Menéres está a apostar forte na cortiça, no vinho generoso e no azeite biológico, considerado em 1999 como o melhor azeite da Península Ibérica por uma revista alemã. Vende-se na Dinamarca, na Suiça, na Alemanha e no Japão, entre outros países. O seu vinho é produzido em adega própria, com lagares tradicionais e cubas de fermentação com controlo de temperatura.

As suas matas de sobreiros, que se mantém no seu habitat de há milénios, estão integradas na rede Natura 2000, uma reserva ecológica europeia que pretende preservar a biodiversidade. A produção de cortiça, uma matéria-prima natural e renovável, é uma das principais actividades da Casa Menéres.

livro: Viver da Morte A indústria funerária em Portugal de Rita Canas Mendes

10-2018Editor: Fundação Francisco Manuel dos Santos. No nosso país, existem mais de 1000 funerárias e o negócio lutuoso emprega 6000 pessoas, mas quase ninguém conhece os bastidores da indústria dos óbitos.

Serão os agentes funerários aproveitadores ou uma ajuda preciosa num momento difícil?
Qual o custo médio de um funeral?
Que produtos e serviços existem no mercado?
Há monopólios nesta área?
E como é lidar diária e profissionalmente com a morte?

Dos aspectos caricatos às histórias que ninguém quer contar, este é o retrato de um sector desconhecido e desconcertante, que revela o lado humano, mas também empresarial, de Viver da Morte em Portugal.
https://www.ffms.pt/publicacoes/detalhe/2708/viver-da-morte

livro:Independência Financeira para Mulheres de Susana Albuquerque

01-2011Editor: Estrela Polar. Este livro revela à leitora os pensamentos, mitos e crenças associados ao dinheiro e lança-lhe o verdadeiro desafio de criar um plano financeiro estruturado. Passo a passo, o controlo das suas finanças pode ser uma realidade e não uma mera utopia

terça-feira, 30 de outubro de 2018

livro: Ser Bom Aluno não Chega de António Gentil Martins e Marta F. Reis

Saíram há dias os resultados do acesso ao Ensino Superior, e mais uma vez foi preciso ter média de 17 ou 18 valores para entrar num curso de Medicina. Dezoito vírgula qualquer coisa… Quantos bons médicos se terão perdido? Para mim, é uma forma absurda de escolher pessoas. Daí o título do livro, ‘Ser Bom Aluno não Chega’. A profissão de médico não é melhor ou pior do que qualquer outra, mas é diferente, ou tem que ser diferente. Quem vai para Medicina tem de ter uma posição quase de sacerdote. Por isso é que há muitos anos propus que, não sendo um método infalível – não conheço nenhum que o seja -, tivessem de fazer voluntariado social, para demonstrar a ligação às outras pessoas. Quem tivesse uma nota razoável, tendo demonstrado que se interessava pelos outros e até aceitava sacrificar-se, ficaria em competição e a faculdade diria quantas vagas tem para preparar correctamente as pessoas.

Ler mais em: https://www.cmjornal.pt/mais-cm/domingo/detalhe/gentil_martins_e_preciso_gostar_de_ajudar_os_outros
Saíram há dias os resultados do acesso ao Ensino Superior, e mais uma vez foi preciso ter média de 17 ou 18 valores para entrar num curso de Medicina. Dezoito vírgula qualquer coisa… Quantos bons médicos se terão perdido? Para mim, é uma forma absurda de escolher pessoas. Daí o título do livro, ‘Ser Bom Aluno não Chega’. A profissão de médico não é melhor ou pior do que qualquer outra, mas é diferente, ou tem que ser diferente. Quem vai para Medicina tem de ter uma posição quase de sacerdote. Por isso é que há muitos anos propus que, não sendo um método infalível – não conheço nenhum que o seja -, tivessem de fazer voluntariado social, para demonstrar a ligação às outras pessoas. Quem tivesse uma nota razoável, tendo demonstrado que se interessava pelos outros e até aceitava sacrificar-se, ficaria em competição e a faculdade diria quantas vagas tem para preparar correctamente as pessoas.

Ler mais em: https://www.cmjornal.pt/mais-cm/domingo/detalhe/gentil_martins_e_preciso_gostar_de_ajudar_os_outros
Bisneto de um professor de obstetrícia, neto de um professor de cirurgia e fundador do IPO, filho de cirurgião, irmão de médico, sobrinho e afilhado de pediatra e por aí fora. A medicina parece estar-lhe nos genes.Teve oito filhos. Nenhum seguiu medicina.
 
diz ele:"Tive três filhos que quiseram ir para Medicina mas não tiveram 18,5 portanto não foram, o que é um disparate em Portugal. A vocação não serve para nada. Há uma dos três que ficou enfermeira, mas ganha uma miséria. É uma vergonha. E os outros dois acabaram por escolher outra coisa. Mas já tenho uma neta que é médica, outra está a tirar o curso e outra está em Psicologia e possivelmente irá também para Medicina quando acabar os três anos da Psicologia."
António Gentil Martins separou em 1978 as primeiras gémeas siamesas que sobreviveram em Portugal e foi bastonário da Ordem dos Médicos durante quase uma década.
Neste livro, o cirurgião pediátrico abre o álbum de memórias pela primeira vez e fala das inspirações e lutas que marcaram toda a sua vida.
Um médico que não tenha empatia com o paciente não pode ser um bom médico? Pode ser um excelente cientista, um investigador fantástico, mas acho que não pode ser um bom médico. É a minha opinião. Para ser médico é preciso gostar de ajudar os outros.

Ler mais em: https://www.cmjornal.pt/mais-cm/domingo/detalhe/gentil_martins_e_preciso_gostar_de_ajudar_os_outros
Saíram há dias os resultados do acesso ao Ensino Superior, e mais uma vez foi preciso ter média de 17 ou 18 valores para entrar num curso de Medicina. Dezoito vírgula qualquer coisa… Quantos bons médicos se terão perdido? Para mim, é uma forma absurda de escolher pessoas. Daí o título do livro, ‘Ser Bom Aluno não Chega’. A profissão de médico não é melhor ou pior do que qualquer outra, mas é diferente, ou tem que ser diferente. Quem vai para Medicina tem de ter uma posição quase de sacerdote. Por isso é que há muitos anos propus que, não sendo um método infalível – não conheço nenhum que o seja -, tivessem de fazer voluntariado social, para demonstrar a ligação às outras pessoas.

Ler mais em: https://www.cmjornal.pt/mais-cm/domingo/detalhe/gentil_martins_e_preciso_gostar_de_ajudar_os_outros

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

livro: homeopatia de cristina pombo

https://www.sitiodolivro.pt/epages/960741206.sf/sec8072631676/?ObjectPath=/Shops/960741206/Products/9789898845221
Cristina Pombo, especialista em Homeopatia e primeira discípula portuguesa do Prof. George Vithoulkas, galardoado em 1996 com o Prémio Nobel Alternativo, acaba de publicar o livro “Homeopatia, Uma Medicina Alternativa”, onde procura “informar, de modo simples, acerca de uma forma de medicina que tem ajudado milhões ao longo dos últimos 3 séculos e que apenas deixou de ser usada pelo boom da química, com todas as repercussões que isso tem trazido para a saúde global das populações”. Segundo a autora, “praticamente ninguém tem conhecimento que, na época das epidemias de cólera ou gripe espanhola, apenas os doentes então tratados por médicos homeopatas em Hospitais homeopáticos, usando apenas medicamentos homeopáticos, se salvaram”

Cristina Pombo. “Além disso, a Homeopatia tem como base filosófica a singularidade do doente, ou seja, o homeopata não reduz o paciente a objeto físico, pelo contrário, vai construindo uma totalidade – “mental-emocional-físico“ – como base de conhecimento e intervenção, permitindo assim caracterizar a Homeopatia como medicina do indivíduo”, remata.
Cristina Pombo é licenciada em Ciências Farmacêuticas pela UCL, naturopata e especialista em Homeopatia pela International Academy of Classical Homeopathy. Tem repartido os últimos 12 anos da sua vida entre Lisboa e o Reino Unido e dedica-se fundamentalmente à prática clínica e ao ensino da Homeopatia. Com experiência em farmácia e na indústria farmacêutica, foi a primeira portuguesa a fazer o curso de especialização em Homeopatia com o Prof. George Vithoulkas, galardoado em 1996 com o Prémio Nobel Alternativo pelo trabalho desenvolvido na ciência da Homeopatia.
O livro “Homeopatia, uma Medicina Alternativa” é editado pela editora Partenon e estará à venda nos locais habituais. PVP – 12 euros.

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

livro: Le Moine Et Le Philosophe de Mathieu Ricard e Jean-François Revel


04-1999 Editor: Pocket "Pourquoi ce succès du bouddhisme en occident ? révèle-t-il une faille dans la civilisation occidentale, scientifique et technique, un besoin insatisfait ? nul n'était mieux placé que matthieu ricard, à la fois intellectuel occidental et moine bouddhiste, pour traiter cette question et d'abord exposer ce qu'est exactement le bouddhisme. Les considérations de jean-françois revel, tout en comportant de sérieuses réserves ou objections, retiennent la partie du bouddhisme qu'il estime acceptable et universelle, sa sagesse dans la conduite de la vie. elles mettent en lumière les échecs de la pensée occidentale, notamment la faillite des grands systèmes philosophiques et des grandes utopies politiques le comunism, qui peuvent expliquer la présente attirance des occidentaux pour une forme de sagesse à la fois très ancienne et très nouvelle. Voilà pourquoi et comment, au népal, dans l'isolement d'un site perché sur une montagne dominant katmandou, se déroulèrent, en mai 1996, les entretiens qui fournissent la substance de cet échange entre le moine et le philosophe."


"a nossa vontade de novidades é tão grande que pedimos até a DEUS de se renovelar constantemente." jean-françois revel p.362,in Le moine et le philophe, Paris 1997


Já no fim da vida Mathieu esteve os últimos quatro dias e noites (http://chezrevel.net/audio/Matthieu_Ricard.mp3) de vida sempre ao lado do pai (morreu na noite de sábado do dia 29 abril 2006 no hôpital Kremlin-Bicêtre, nº 78, rue du Général-Leclerc, Paris sul) e afirmou que ele partiu serenamente, com a mesma esperança e alegria de viver com que termina o diálogo com o filho no livro conjunto: ” Como as tuas ideias são mais otimistas que as minhas, deixo-te a ultima palavra” (p.395, ed. Nil, Paris, 1997,ed. Francesa).
 

livro: « Mémoires » de Jean-François Revel



Publié le | Le Point.fr
Voici enfin dans son édition intégrale le livre que les amoureux de la liberté, du style et des idées devraient posséder dans leur bibliothèque : les Mémoires de Jean-François Revel. Paru en 1997, Le Voleur dans la maison vide interrompait son récit à l'année 1983. Robert Laffont dévoile aujourd'hui des chapitres inédits, qui narrent des événements postérieurs à cette date jusqu'à la mort de l'auteur en 2006. Ce volume a beau consacrer de nombreuses pages à Georges Marchais, il a franchi le siècle. Les acteurs ont changé, mais bien des travers dénoncés en son temps par l'auteur de Pourquoi des philosophes restent d'actualité : « amour des clôtures », « prépondérance des domaines réservés » et « partage administratif du butin temporel de l'esprit ».
Son tableau du milieu journalistique a pris à peine quelques rides : « Aussi fermé sur lui-même, intolérant à la critique et sûr de son infaillibilité que le milieu universitaire »... Revel nous révèle le réel sans grille idéologique ni préjugés. Le lire est le meilleur vaccin contre les « fake news ». Dès 1988, dans son essai La Connaissance inutile (Grasset), il voyait poindre les ravages de ce relativisme épinglé par Emmanuel Macron lors des vœux à la presse. Et il annonçait l'avénement de la « démocratie des crédules » analysé depuis par le sociologue Gérald Bronner. « La civilisation démocratique est entièrement fondée sur l'exactitude de l'information, disait-il. Si le citoyen n'est pas correctement informé, le vote ne veut rien dire. »

« Connaissance de l'étranger »

Il écrivit aussi : « L'idéologie, c'est ce qui pense à votre place. » Même quand il chargeait son pire ennemi, il fourbissait arguments et faits. Ses adversaires ne se sont pas donné tant de mal. Ils l'ont rangé dans la niche « libérale ». Cave canem (prends garde au chien) ! La gauche, dont il est issu, devrait enfin le lire. La droite, qui s'est toujours méfiée de lui, tout autant.

La clé de la lucidité revelienne nous est fournie dans l'entretien avec son complice Laurent Theis, maître d'œuvre de ces Mémoires, qui ponctue l'ouvrage. Si Revel a échappé aux illusions politiques de son temps et aux aigreurs françaises, il le doit probablement à son « plurilinguisme ». Le français n'était pas sa langue maternelle. Enfant, il parlait portugais, car son père avait trouvé une situation au Mozambique juste après sa naissance. Le philosophe se montrait aussi à l'aise en espagnol qu'en italien. Il suivait parfaitement la presse allemande. Cette « connaissance de l'étranger », rare chez les essayistes et les commentateurs français, lui donna un regard aigu et décalé sur son propre pays. Sa facilité à puiser dans leur langue d'origine des informations dont il avait besoin lui évita d'écrire bien des bêtises. Pour savoir ce qui se passait en Amérique latine, il lui était inutile de lire Le Monde diplomatique... Éditrice, sa première initiative fut de traduire dans une même collection les plus grands textes de l'histoire de l'art allemands, anglais, américains ou italiens du XXe siècle. Cette « empathie avec ce qui nous est extérieur » s'avère l'ultime leçon que ce gourmand penseur laisse à ses cadets.

terça-feira, 23 de outubro de 2018

livro: a última Tudor

10-2007 Editor: Editorial Presença. O reinado de Isabel I foi um tempo de guerra, paixão e lutas pelo poder. Neste romance histórico escrito a partir do guião de um filme de William Nicholson e Michael Hirst, com estreia marcada para Portugal a 1 de Novembro 2007, Isabel enfrenta as mudanças religiosas e políticas que atravessam a Europa do século XVI e a batalha com Filipe II de Espanha no célebre episódio da Armada Invencível. A acção situa-se entre 1587 e 1590 e o leitor vai assistindo a cenas de espionagem, intrigas palacianas, relações amorosas da rainha e das suas damas com destaque para Sir Walter Raleigh, poeta e herói da guerra íntimo de Isabel. Com um ritmo contínuo e descrições cinematográficas, este livro entretém ao mesmo tempo que transmite conhecimentos históricos da rainha que se imortalizou no mundo ocidental.
no site: http://www.pointdevue.fr/histoire/elisabeth-ire-la-reine-vierge-et-implacable_7362.html?xtor=EPR-1-[]-[20181022]&utm_source=nlpdv&utm_medium=email&utm_campaign=20181022
au logis royal de la Tour de Londres, le portrait d’Anne Boleyn retrouve sa place d’honneur en pendant de celui d’Henri VIII. Enfin reine, Élisabeth Ire réhabilite la mémoire de sa mère, diffamée et décapitée. Et elle déclare: "Certains qui étaient princes de ce royaume ont été réduits à être prisonniers en ces lieux. Moi, de prisonnière en ces lieux, j’ai été élevée à la dignité de prince de ce royaume." Tribulations d’une jeune souveraine
de 25 ans…

La "bâtarde protestante" devenue reine d'AngleterreNée princesse le 7 septembre 1533, déclarée illégitime trois ans plus tard, réintégrée dans ses droits à l’adolescence, de nouveau écartée du trône, Élisabeth a connu la prison sous le règne de sa demi-soeur, Marie la Sanglante. Sur le verre de la fenêtre de son cachot, elle a gravé, à la pointe d’un diamant: "On m’a beaucoup soupçonnée. Rien n’a pu être prouvé." Conspiratrice ou innocente? La princesse a toujours nié, farouchement, avec un art consommé de la dissimulation dont elle a fait une règle: "Je vois et je me tais!"
Le pape Pie IV, le premier, fait les frais de sa "diplomatie" rusée. Maladroitement, le pontife somme la "bâtarde protestante" de se soumettre. Élisabeth doit, selon ses vues, abandonner la couronne à sa cousine Marie d’Écosse. C’est plus que la reine ne veut donner. Le 14 janvier 1559, Élisabeth accepte d’être sacrée selon le rite romain. Elle endort ainsi le clergé catholique… et frappe!


L’Acte de suprématie, édicté quelques mois plus tard par un parlement favorable à sa cause, exige des évêques un serment de fidélité à la reine, désormais "gouverneur suprême" de l’Église d’Angleterre. L’anglicanisme, religion d’État, vient de naître. Élisabeth impose sa paix aux catholiques fidèles comme aux puritains presbytériens. Gare à qui se rebiffe! La reine accorde la liberté de conscience à ses conditions, mais sans compromis.

Élisabeth Ire ne partage pas sa couronne, pas même avec un prince ou un roiÉpaulée par de brillants ministres, William Cecil, son secrétaire d’État, ou Thomas Gresham, qui fonde la première Bourse de Londres, elle restaure les finances publiques ruinées par les guerres et l’incurie de ses prédécesseurs. Et si elle se vêt majesté de son rang, rien ne compte pour Élisabeth que son métier: "Je suis un roi, je ne suis pas une femme."
Elle ne se montre pas moins sensible aux compliments des favoris sur son port altier, son teint d’albâtre, sa chevelure flamboyante. L’élégant Robert Dudley en tire habilement parti. Il est titré comte de Leicester et la reine pardonne les infidélités, nombreuses, de cet amoureux platonique. Robert Devereux, comte d’Essex, en revanche, convaincu de complot, sera impitoyablement jugé et décapité.


Élisabeth Ire ne partage pas sa couronne. Pas même avec un prince ou un roi. C’est pourquoi elle repoussera tous les prétendants, les archiducs Charles et Ferdinand d’Autriche, le prince héritier Éric de Suède, comme François de Valois, duc d’Anjou, son cadet de vingt et un ans, affectueusement rebaptisé la "Grenouille".
Après de longues années d’une cour assidue du prince français, ils se quittent "bons amis". Un "fiancé" ombrageux, en revanche, son ancien beau-frère Philippe II d’Espagne, ne lui pardonne pas son éviction. Sa Majesté Catholique tente de faire assassiner Élisabeth, quand il n’encourage pas sa cousine d’Écosse à la détrôner.

A la fin de son règne, Élisabeth Ire a hissé son royaume à l'aube de sa puissance mondialeDans l’ombre, Élisabeth attend son heure. Elle entretient le trouble dans le royaume voisin, et quand sa "bonne soeur Marie" fuyant l’Écosse, cherche refuge en Angleterre, elle l’accueille… en résidence surveillée. La rivale irréfléchie se place inévitablement au coeur d’un écheveau d’intrigues. Arrêtée, jugée, Marie Stuart est décapitée en 1587.
Philippe II saisit ce prétexte pour lancer son "Invincible Armada" vers les côtes britanniques. Les cent trente navires de cette flotte formidable vont essuyer une défaite sans précédent. Moins de la moitié rentrera au port. Élisabeth Ire règne désormais sur l’Angleterre, l’Irlande et sur les océans où croisent les bâtiments de la Compagnie des Indes orientales.


L’expansion britannique commence en Amérique, où sir Walter Raleigh fonde la colonie de Virginie, en l’honneur de sa "Reine vierge". La renaissance artistique contribue à la renommée de l’"âge d’or" élisabéthain. Marlowe et Shakespeare triomphent sur la scène du Théâtre du Globe, à Londres, et Francis Bacon publie ses Méditations et ses Essais. Spenser, célèbre la souveraine dans son épopée La Reine des fées.

Quand Élisabeth s’éteint, dans sa quarante-cinquième année de règne, elle a hissé son royaume au premier rang des nations. Comme elle l’a voulu, Jacques V d’Écosse, fils de sa rivale Marie, réunit les deux couronnes d’Écosse et d’Angleterre.

 Sur sa tombe, en l’abbaye de Westminster, elle a fait graver: "Ici repose Élisabeth qui vécut et mourut reine et vierge." Épitaphe d’une princesse qui aura tout sacrifié à sa couronne.

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

museu da Pessoa Portugal \Brasil




A Galp têm uma família e um museu integrado no
 Museu da Pessoa,museu vidas galp "que têm como objectivo resgatar a história da empresa de modo inovador: atravéz do testemunho dos seus colaboradores muitos dos quais já em situação de reforma."...ver também o museu da pessoa no Brasil

livro: Orlando Piedade, Os Meninos Judeus Desterrados

12-2014 Tendo como pano de fundo a história de duas mil crianças com idades compreendidas entre os seis e oito anos, na sua maioria filhos de judeus castelhanos que fugiram à inquisição no reino de Castela, durante o reinado dos reis católicos. Retiradas aos pais e enviadas por ordem d’El-Rei D. João II para povoar as ilhas de São Tomé e Príncipe, no ano de mil quatrocentos e noventa e três, logo fase inicial do povoamento destas ilhas.
Baseado numa rigorosa investigação histórica, este romance narra o percurso de uma criança de seis anos que sobrevive e vence contra todas as probabilidades. Com especial apetência para atrair o perigo, quer por onde passe, Javier encontra o seu grande amor blindado pelo ódio religioso que o obriga a caminhar sobre o fio da navalha.
De Portugal para S. Tomé e Príncipe por ordem d’el-rei João II em 1493
«(…) Reza a história que, quanto ao episódio de Toledo, as confissões foram arrancadas pelos inquisidores no clima de tortura e a reconstituição foi feita conforme a imaginação destes, independentemente de não se ter dado por falta de criança alguma, e muito menos se terem visto restos mortais no local que foi indicado ao inquisidor. Acontecimentos desses eram férteis pela Europa fora e não de exclusividade castelhana. Nessa matéria, a Igreja não falava a uma só voz. Havia vozes ao mais alto nível que se insurgiam contra tais práticas que visavam única e exclusivamente a fomentação de ódios. Já tinha acontecido, no ano mil duzentos e quarente e sete, com a contestação papal, onde este afirmava não haver fundo de verdade no tal ritual e considerava mesmo que tudo não passava de lendas. Era uma posição que, ocasionalmente, Roma vinha a público reiterar. O mistério prevaleceu até ao ano mil setecentos e cinquenta e nove, altura em que foi publicado o resultado de uma investigação exaustiva, pedida pelas comunidades judaicas europeias, ao cardeal Ganganelli, mais tarde papa Clemente XIV, onde se concluiu que tais acontecimentos nunce tiveram lugar em qualquer momento da História da Europa. Em termos imediatos, a acusação valeu aos visados a fogueira e o enforcamento, um pouco à semelhança daquilo que acontecia por todo o reino. Para além da consequência imediata, isto também constituía mais um motivo para atirar a população contra os judeus e conversos.
O amanhã é uma incógnita e nunca sabemos quando é que o destino troca as voltas aos nossos pés e nos traz de volta para calcar um vestígio antigo que a nossa lucidez procura esconder face à incapacidade de esquecer. Invariavelmente, a minha avó emocionava-se a cada vez que contava a forma como tinham perdido tudo. Sua tez franzida, os movimentos das suas mãos e sublinhar as suas palavras, produzidas num tom de voz visivelmente emocionado, mas nem por isso menos segura de si. O seu rosto reabria-se lentamente quando passava a falar da nova vida, apesar do trauma da conversão. Com o seu pé direito que assenta apenas sobre a ponta e lhe confere um andar característico, o rabino Isaías..., não percebo por que carga de água insistem na palavra rabino se o homem rasgou as bases da lei moisaica e adoptou as leis cristãs, se calhar pela sua rabugice, mas pronto..., pronto, era assim tratado e não vou estar agora a questionar. Na altura, um fervoroso cristão-novo, apareceu com a mão do gato, correu o ferrolho, abriu a cancela de recorte de ferro que dava acesso à sua casa e atravessou o caminho dos meus antepassados quando estes regressavam com as mãos vazias, tal como das outras vezes, desde que se converteu, assemelhando-se a um demónio pronto a estrangular as crianças, a minha avó diz ter sentido isso como criança que era, e seduzir o meu bisavô como uma autêntica rainha do mal.
Congratulou-se com a conversão e estendeu-lhes a sua mão camaleónica. Tempo de personalidade decorosa, de reputação inquestionável era tão pretérito como os seus inquestionáveis ensinamentos sobre os diversos versetos da Tora. Deixou-se levar pela correnteza da conversão que arrastou vala abaixo os seus próprios princípios e crença, ao navegar pelo cano cego, numa tentativa de purificar o próprio sangue e quiçá a alma. De pé atrás, fizeram mão morta à oferenda do antigo rabino e viram minimizada a penúria. 
Ao contrário dos meus antepassados, numa jogada de antecipação, mostrou que a sua fé era mutante. Isso permitiu que ele conservasse o seu padrão de vida no meio da procela e assim estava com os pés na algibeira. A sua mão estendida, triunfalmente, para os meus antepassados, constituía uma espécie de recompensa pelas várias tentativas falhadas para os conduzir pelo caminho da conversão. Para os meus antepassados a fé era inegociável, a menos que isso significasse manter a capacidade de continuar a respirar para depois se recomporem e retomarem o caminho que os sustentava espiritualmente». In Orlando Piedade, Os Meninos Judeus Desterrados, De Portugal para S. Tomé e Príncipe por ordem d’el-rei João II em 1493, Edições Colibri, link

terça-feira, 9 de outubro de 2018

dia mundial dos correios

Em 2018 o Jardim Botânico da Ajuda comemorou 250 anos de existência. Fundado em 1768, foi o primeiro Jardim Botânico em Portugal e o 15º da Europa.

Os CTT lançaram, no dia 7 de Maio de 2018, a coleção filatélica dedicada aos 250 Anos do Jardim Botânico da Ajuda. A coleção foi lançada na cerimónia de abertura do VIII EUROGARD - Congresso Europeu de Jardins Botânicos na Reitoria da Universidade de Lisboa.
site dos CTT: https://www.ctt.pt/home/index.html

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

livro: Tony Carreira - O Homem Que Sou

05-2018      Este é o livro do homem que conseguiu tornar-se músico, que cantou com Lara Fabian ou Toto Cutugno, do artista que mais vezes tocou no Pavilhão Atlântico, que tem mais de sessenta discos de platina e de ouro, e que foi agraciado pelo governo francês ou pelos World Music Awards.

Num relato de grande honestidade, sobressaem o amor à família, a devoção à beleza e à força das mulheres, as contradições e as fragilidades, o medo de envelhecer ou de andar de avião, as comoventes histórias comuns a tantos portugueses obrigados a tentar a sorte no estrangeiro; bem como os episódios caricatos com fãs, ou algumas revelações supreendentes, como o momento em que recorreu à bebida para ultrapassar a morte de amigos, ou as visitas noturnas ao Santuário de Fátima.


entrevista em França Tony Carreira - Vivement Dimanche : Michel Drucker


quarta-feira, 3 de outubro de 2018

http://animaisderua.org/pt/friends

http://animaisderua.org/pt/friends.html

A partir de 3€ mensais poderá subscrever o Cartão do Amigo da Animais de Rua e ajudar-nos a chegar a cada vez mais animais. Este cartão de validade anual dá-lhe acesso a descontos e vantagens em várias empresas amigas dos animais que apoiam esta iniciativa.