terça-feira, 11 de agosto de 2009

Dharamsala - A casa do Dalai Lama!

8 DE AGOSTO DE 2009

Dharamsala - A casa do Dalai Lama!

Estou de regresso à Índia e desta vez voltei a visitar a pequena povoação de Mcleo Ganj. Mcleod Ganj, vulgarmente conhecido por Dharamsala, é mundialmente conhecido por ser a residência oficial de Sua Santidade O Dalai Lama. Deixo-vos aqui um texto que escrevi na altura.:-)


longe do nosso olhar

A memória longínqua de uma pátria

Eterna mas perdida e não sabemos

Se é passado ou futuro onde a perdemos

Sophia de Mello Breyner Andresen


Por entre a sombra da grande parede rochosa de Dhaula Dhar, por onde vagueiam os lendários monges Tibetanos, a vila de Mcleod Gang é imediatamente sobre Dharamsala. Ao longe elevam-se os mais importantes picos dos Himalaias Indianos, contempla-se o oculto, as encostas montanhosas cobertas de pinheiros a atingir o céu que pairam dentro de regiões de neve eterna.

O povoado está dividido entre a parte alta e a parte baixa, com a diferença de 457 metros. Entre elas, contra um fundo de picos brancos e florestas de gigantes coníferas, encontram-se, na espantosa vila de Dharamsala, cuidadosos jardins cultivados com chá. As montanhas abraçam três lados da povoação e do vale conhecido pela sua beleza pitoresca entre pinheiros altos, cultivos de chá, árvores de madeira condescendente, competindo com outras eminências, calmas e serenas. A altitude de Dharamsala varia entre 1.250 metros e 2.000 metros. A linha da neve, aqui, é provavelmente mais acessível do que em qualquer outra aldeia de montanha e é possível caminhar facilmente até lá no início da manhã. Os brilhantes raios de sol descem sobre a neve polida e lançam os seus reflexos de volta ao vale em todas as sete cores do arco-iris enviando um sinal para o início do dia.

O cenário muda à medida que nos aproximamos de Dharamsala. As planícies baixas cobrem-se de um véu azul, enquanto Dhaula Dhar, cordilheira onde Dharamsala se ergue, eleva-se sombria e coberta de pinheiros. É a residência oficial de Sua Santidade, XIV Dalai Lama, depois dos chineses invadirem o seu país. Dharamsala invoca dias imperiais em locais como Mcleod Gang e Forsythe Gang. Centro do distrito de Kangra, transformou-se em capital em 1852. Arruinada por um terramoto em 1905, renasceu das cinzas, mais resplandecente e preserverante, local de orgulho entre todos os locais turísticos em Himachal Pradesh. Quando o exílio Tibetano começou, primeiro dirigiram-se para Dalhouise mas, mais tarde, mudaram a sua colónia para Mcleod Gang, na parte alta de Dharamsala. Dalhouise ficou mais pobre, Dharamsala enriqueceu.

Desde 1960, quando o Governo Tibetando se sediou temporariamente neste local, Dharamsala ascendeu a uma reputação internacional como "pequena cidade de Lhasa na Índia".

A alta altitude, a frescura e o tempo favorável contribuiram grandemente para a criação de um ambiente verdadeirmente Tibetano. Mais de 3.000 Tibetanos fizeram de Dharamsala a sua casa temporária, vivendo a maior parte em Mcleod Gang. Nos dias de hoje, Mcleod Gang é a mais Tibetana das terras Indianas e, quem sabe, do mundo.

Ainda nos nossos dias, refugiados Tibetanos chegam, sem nada nas mãos, com tudo deixado para trás para viverem perto do seu líder espiritual. A família que me acolheu no meu hotel tinha chegado há apenas um ano de uma fuga à prepotência chinesa. Durante 35 dias atravessaram os Himalaias, num grupo de 16 pessoas. Quando chegaram a Kathmandu, capital do Nepal, algumas sofreram amputações devido ao frio e às rigorosas intempéries do clima que tiveram de suportar e vencer.

Mcleod Gang é um local onde o repeito pela Natureza é pleno. Existe um respeito mútuo por cada divindade, que não é diferenciada em nenhum tipo de raça. Na minha curta visita por este local, pude assistir à atitude de uma monja idosa que gentilmente apanhou um pequeno réptil do centro de uma pequena vereda, para o colocar em sítio seguro, longe de pisadas desprevenidas ou desajeitadas. Para este povo, cada ser vivo pode ser a reencarnação de um familiar, amigo ou deconhecido que devemos respeitar, proteger e acariciar. Aqui, os animais não fogem das pessoas, existe um respeito mútuo e uma protecção, que surpreende os mais ignorantes em matéria de filosofia budista.

A sede do governo Tetano em exílio é simples. Uma casa modesta, com a pintura gasta, da altura de um edifício de dois andares, com um comprimento de aproximadamente 50 metros. A residência oficial de Sua Santidade é incrivelmente ingénua. Nada comparável com as casas de chefes de governos de qualquer outro país. Mais rica é a biblioteca. Centro de todos os estudos e de todo o património Tibetano que foi recuperado. Numa pequena sala, guardado como um tesouro, encontramos o que se conseguiu salvar de um país destruído. Alguns quadros, algumas imagens e poucos pergaminhos. O património é assustadoramente pequeno e pobre.mais no blog