sexta-feira, 11 de setembro de 2009

9\11

Um amigo meu cortava o cabelo num barbeiro árabe que parecia surpreso, eu via o telejornal da RTP sem acreditar no que via em directo.Hoje o meu amigo só me fala em teorias da conspiração. Eu continuo a pensar na morte que vi em directo nas vidas alteradas, no sofrimento, e no pó tanto pó_somos todos pó.
Em New York, um religioso budista japonês, inspirado numa cerimónia que se faz no Japão em memória das vitimas de Hiroshima, ao põr do sol, coloca kayaks com lanternas no rio Hudson_
o memorial

Sem comentários:

Enviar um comentário