lacoste

lacoste

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Is Yoda a Zen Master?




Young Adult---Take heart: there are Buddhist books that speak the language of young people--and youthful adults.

Is Yoda a Zen Master? What might Jedi training be like? Is the story of Luke Skywalker and Darth Vader part of a spiritual epic?The answers-as well as excitement, adventure, and a lot of fun-are here! The Dharma of Star Wars uses George Lucas' beloved modern saga and the universal discoveries of the Buddha to illuminate each other in playful and unexpectedly rewarding ways. Bortolin even reveals satisfying depths to the second trilogy of movies-the ones that met with what can understatedly be called a less-than-warm critical reception.
The Dharma of Star Wars gives you an inpsiring and totally new take on this timeless saga, from A New Hope all the way up to 2005's Revenge of the Sith. Great fun for any Star Wars fan. Imagine The Power of Myth... with lightsabers!-----------no blog: http://blogs.starwars.com/dharmaofstarwars/23


yoda say:“Fear is the path to the dark side. Fear leads to anger. Anger leads to hate. Hate leads to suffering.”
“Death is a natural part of life. Rejoice for those around you who transform into the Force. Mourn them do not. Miss them do not. Attachment leads to jealously. The shadow of greed, that is.”
“Named must your fear be before banish it you can.”
“Oh! Great warrior! Wars not make one great.”
“Feel the force!”
“Yes, a Jedi’s strength flows from the Force. But beware of the dark side. Anger, fear, aggression; the dark side of the Force are they. Easily they flow, quick to join you in a fight. If once you start down the dark path, forever will it dominate your destiny, consume you it will, as it did Obi-Wan’s apprentice.”
“You will find only what you bring in.”
” Grave danger you are in. Impatient you are.”
” Once you start down the dark path, forever will it dominate your destiny, consume you it will.”
” Always in motion is the future.”
” Strong am I with the force.”
” Always two there are, no more, no less: a master and an apprentice.”

sábado, 26 de dezembro de 2009

cousteau\tejo

Cousteau morreu num pequeno avião no tejo.
será que o tejo gosta de avionetas? O douro gosta.
No Marão, em Coimbra ou no Algarve
tantas fronteiras imaginárias neste jardim
à beira mar plantado na era de caly.
"As missões impossíveis são as únicas que eu realizo"
"As pessoas protegem o que gostam" -- jacques cousteau

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

cartoon zem 102-106

Frédéric -=-=-=-=-=-=- http://lungtazen.wordpress.com/ http://zemapprentimaitrezen.wordpress.com/ http://inventerre.canalblog.com/ http://childsofladakh.canalblog.com/ http://twitter.com/ZemTse 

-=-=-=-=-=-=-
« Parler est un besoin, écouter un art. » Goethe
-=-=-=-=-=-=-
AYANT ACCOMPLI CE QUE JE DÉSIRAIS ACCOMPLIR, J'ABANDONNE COMPLÈTEMENT MES SOUCIS ET MES PRÉOCCUPATIONS DANS LE SIMPLE CONTENTEMENT D'ÊTRE

não reproduzir sem autorização do autor

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

partir em silêncio - África

gostei de ler hoje este post -- por um lado é bom partir em silêncio, sem remorsos.

Há homens que partem em silêncio apesar de terem realizado feitos gloriosos. Francisco Frias de Barros, engenheiro geógrafo, faleceu recentemente, e em total silêncio mediático. O mesmo silêncio que o encerrou a ele e aos seus camaradas de ofício, apesar de terem sido a última geração da grande aventura terrestre africana. Na verdade, é um pouco absurdo ver os americanos a reproduzirem em Hollywood os fantásticos feitos de Mason, Dixon, Burton, Stanley e Livingstone, com o apoio sempre discreto da Coroa inglesa, quando por cá um punhado de bravos fez o mesmo e muito mais a partir do século, como testemunha, detalhadamente, "Viagens de exploração terrestre dos portugueses em África", de Maria Manuela Madeira Santos, uma pérola sequestrada nas prateleiras dos alfarrabistas. Foi um pouco atrás da reconstrução desta aventura que há uns anos fui incomodar Frias de Barros, num gabinete silencioso esquecido em Belém. Foram uns dias bem passados, já que facilmente fui contaminado por aquela história. Apesar da sua idade, Frias de Barros tinha uma boa memória, e uma compreensão fácil para a partilha do detalhe que uma boa história exige. E, por outro lado, o gabinete e salas adjacentes guardavam todo o material da aventura, inclusive as notas de campo, o que é uma espécie de tesouro. A epopeia destes homens é na essência simples: andaram nas latitudes desconhecidas de Angola e Moçambique a retirar coordenadas para o império ter um mapa do seu território. Fizeram - no e isso é extraordinário. no blog  

foto 1990



sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

comunidades budistas...?!


Penso que, basicamente, a comunidade budista é uma comunidade frágil. E é frágil porque é guiada por interesses próprios. É uma comunidade do bem-estar. É o que "me" faz sentir bem. Faço isso porque faz com que me sinta bem.
A compaixão faz com que eu me sinta bem. Meditar faz com que eu me sinta bem. Não é para o bem de todos, ou algo assim. É um movimento de bem-estar.
E você pensa que, em termos gerais, isso é verdade entre os "novos" budistas, ou os budistas recém-"convertidos"?
Sim.
E o que é preciso para que levemos um pontapé?
Tivemos grandes mestres que vieram até nós. E muitos deles tinham a visão de que "bem, vamos fazer o que podemos. Trabalharemos com o que temos para trabalhar".

Que é…? Um bando de hedonistas narcisistas e materialistas?

É você quem está dizendo. Mas melhorias podem acontecer. Você me perguntou se a comunidade budista tem algo a oferecer. Em sua forma actual, não. Considero a comunidade budista muito complacente, muito absorvida por si própria. Você consegue imaginar algum budista que conheça tomando um voto de pobreza? O que era tão inspirador em Gandhi era sua intenção inabalável, seu total compromisso com aquilo em que acreditava, e era algo palpável, real e inspirador. Seus mundos interior e exterior eram totalmente um só. Quem hoje pode nos oferecer isso?


quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

nobel e new site Dalai Lama



novo design do site oficial e  aniversário do prémio Nobel da paz recebido em 1989.

Maria João Pires

Quantas vezes ao olhar a árvore esquecemos a floresta? Pois é, Portugal gosta(va?) de heróis mortos, e emigrantes.Os heróis vivos são vistos como um obstáculo à ascensão da mediocridade, do elogio barato, um obstáculo aos ditadores potenciais que não gostam da palavra "ser", nem da mensagem "façam algo agora"... claro, é para amanhã.....
Maria João Pires não teve muita sorte com o país em que nasceu. Sessenta anos de carreira (e que extraordinária carreira a sua) justificariam uma homenagem de âmbito nacional capaz de expressar a nossa gratidão por pisarmos o mesmo chão e respirarmos o mesmo ar......Talvez por efeito das minhas petições e do crédito que tenho no céu.Por tudo o que me fez ouvir e sentir, Maria João, obrigado. saramago no seu blog

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

monges budistas


 Os monges budistas são omnipresentes nas ruas de Bangkok e é fascinante ver as maneiras criativas (e motorizadas!) como distribuem bençãos e recebem dádivas.


Pela tradição budista os monges só comem até ao meio-dia e recebem a comida que lhes dão entre as seis e as seis e meia da manhã. Desfilam em silêncio pelas ruas e recebem nas suas tigelas tudo aquilo que lhes damos. Pode ser arros, fruta, dinheiro ou flores.



Imperturbáveis, nunca alteram o passo e não sorriem para ninguém a não ser para as crianças.

no blog: http://laurindaalves.blogs.sapo.pt/

nossa senhora da conceição

domingo, 6 de dezembro de 2009

ainda o futebol

0 parlamento Russo criou uma comissão de inquérito para saber porque a Rússia não foi apurada para ir ao mundial de futebol_