terça-feira, 11 de maio de 2010

I Ching

A propósito da Crónica "Feng Shui na Decoração" introduzo aqui um apontamento sobre o I Ching, na medida em que os oito trigramas base (símbolos compostos por 3 linhas) deste último são comuns ao símbolo do Feng Shui.
Muito se pode aprender com a cultura e filosofia oriental. No minímo, é bem evidente a compreensão holística e correlacionada que os povos orientais possuem sobre a Vida e o sentido místico da mesma.

"A origem do I Ching (ou Livro das Mutações) perde-se na noite dos tempos, já que as primeiras referências a esta tradição sapiencial surgem na Antiga China no período anterior à Dinastia Chou (1150-249 a.C.). Posteriormente, foi desenvolvido por Lao Tsé e Confúcio. A Lao Tsé (o "Velho" ou "Velho Mestre"), filósofo e sábio chinês que, segundo a tradição taoista, nasceu já com uma fisionomia idosa, cerca de 605 a.C., é atribuída a autoria do livro de sabedoria chinesa Tao Té King. Quanto a Confúcio (551-479 a.C.), foi um mestre, filósofo e teórico político chinês, tendo sido o mentor da doutrina confucionista que exerceu, tanto quanto se sabe, uma forte influência sobre toda a China e Ásia Oriental, ao aplicar a interpretação do Tao Té King de Lao Tsé às estruturas político-sociais e à filosofia moral humana.
No I Ching encontram-se, assim, as raízes do Confucionismo e do Taoísmo como afirma o sinólogo alemão Richard Wilhelm que entre outros teve o mérito de traduzir e trazer para o Ocidente o I Ching - O Livro das Mutações: "Tudo o que existiu de grandioso e significativo nos três mil anos da história cultural da China (filosofia, ciência e arte de governar) ou inspirou-se neste livro ou exerceu alguma influência(...)". O Livro das Mutações teve a sua origem na prática oracular, mas, com o estudo e comentários de Lao Tsé e Confúcio, passou a assumir uma maior importância literária e filosófica como manual de sabedoria, tendo-se desenvolvido toda uma doutrina axiomática em torno dele.
A mutação é algo que está presente na manifestação da Vida e do Universo. O conhecido símbolo de Yin e Yang, que é designado no I Ching por "firme" e maleável", representa exctamente essa perpétua mudança em que o firme (Yang) se transforma na sua plenitude, no seu contrário maleável (Yin) e vice-versa." (in Do Tao da Memória - Em demanda da Memória Transpessoal)

Assim, os oito trigramas base representam a mutação possível entre um estado que vai do máximo Yin (linha aberta) para o máximo Yang (linha fechada) e vice-versa. O I Ching por sua vez estabelece uma combinação entre estes oito trigramas base estabelecendo sessenta e quatro hexagramas e combinações possíveis que por sua vez representam toda a mutação e estados possíveis da Vida Manifestada.