quinta-feira, 10 de junho de 2010

conclusão:aqueduto das águas livres


 um livro de 2008 sobre a peripécias da construção do Aqueduto das Águas livres, que nos conta como as obras públicas em Portugal nesses tempos baloiçavam entre o sim e o não, intrigas, interesses obscuros, religiosos, mundanos e amorosos. Concluído em 1748, resistiu ao terramoto de 1755  e o livro termina assim:

 "O povo teve a água que ansiava. durante semanas, as casas de pasto de Lisboa deixaram de vender vinho. As gentes deleitaram-se, embebedando-se com a pura água do aqueduto das águas livres. Um povo sem sede é um povo feliz."


Neste dia de Portugal a minha homenagem a todos que com um pouco de altruísmo conseguem acreditar neste povo.