domingo, 12 de setembro de 2010

livro: portugal hoje

citação: "Um português pergunta a outro. 'Aonde vai neste fim-de-semana?' O outro responde: 'Fico por aqui." E o que significa 'por aqui' (ou 'por aí')? Significa - e é a vez de José Gil responder - 'um pequeno território de deambulação (física e mental), ao mesmo tempo invisivelmente enclausurado e internamente livre'. Livre é este livro. Pela lucidez do olhar e pela tão rara capacidade entre nós de filosofar sobre a espuma dos dias." Rodrigues da Silva, JL

A psicanálise das (nossas) culpas

Por Arnaldo Gonçalves
 
“Os lugares, tempos, dispositivos mediáticos e pessoas formam um pequeno sistema estático que trabalha afanosamente para a sua manutenção.” José Gil, Portugal, Hoje. O medo de existir


"O processo Casa Pia pôs-nos perante o holocausto dos nossos princípios morais.
Se a ética corresponde a um conjunto de princípios ou normas morais, como defendia Espinosa, a nossa sociedade enfrenta o afundamento desses princípios.
Com o fim da ditadura nada subsistiu como cimento de coesão colectiva e esteio de valores morais. A moral republicana é algo de inconsistente. Istalou-se uma lógica de relativismo moral que tudo justifica e normaliza e que é apenas uma escapatória que nos leva ao nevoeiro da irresponsabilidade moral como Nação.
Continuamos incapazes de defrontar os nossos falhanços e as nossas culpas.
 Como escreveu José Gil «o medo que reinava no antigo regime passou a um outro registo, sem desertar dos corpos».
Este medo transparece hoje no nosso horror ao conflito e às crises. 
 Horrorizam-nos os conflitos e as crises. Quando elas explodem fazemos tudo para que o impacto seja abafado em nós próprios, que não tenha expressão, o que nos impede de levantar interrogações. A crise é algo que foge da norma e ela põe-nos a questão de nós próprios."

e como nos filmes THE END com banda sonora tradicional à escolha.