lacoste

lacoste

quinta-feira, 27 de maio de 2010

imagem do dia


É uma ave que come tudo, os maus alimentos são transformados em energia positiva.  

Teve origem na Índia, onde já foi considerado um animal sagrado. 
Nesses tempos, o castigo aplicado a quem voluntariamente matasse uma destas aves, podia ser a pena capital.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

imagem do dia

"Love is when my mommy makes coffee for my daddy and she takes a sip before giving it to him, to make sure the taste is OK."_ criança de 7 anos

sábado, 15 de maio de 2010

15ª_feira do livro.pt

e lá fui eu com audácia subir a rua da prata da feira do livro com um amigo. A experiência disse-nos de subir normalmente e descer por um atalho....um bom dia cheio de livros.

terça-feira, 11 de maio de 2010

I Ching

A propósito da Crónica "Feng Shui na Decoração" introduzo aqui um apontamento sobre o I Ching, na medida em que os oito trigramas base (símbolos compostos por 3 linhas) deste último são comuns ao símbolo do Feng Shui.
Muito se pode aprender com a cultura e filosofia oriental. No minímo, é bem evidente a compreensão holística e correlacionada que os povos orientais possuem sobre a Vida e o sentido místico da mesma.

"A origem do I Ching (ou Livro das Mutações) perde-se na noite dos tempos, já que as primeiras referências a esta tradição sapiencial surgem na Antiga China no período anterior à Dinastia Chou (1150-249 a.C.). Posteriormente, foi desenvolvido por Lao Tsé e Confúcio. A Lao Tsé (o "Velho" ou "Velho Mestre"), filósofo e sábio chinês que, segundo a tradição taoista, nasceu já com uma fisionomia idosa, cerca de 605 a.C., é atribuída a autoria do livro de sabedoria chinesa Tao Té King. Quanto a Confúcio (551-479 a.C.), foi um mestre, filósofo e teórico político chinês, tendo sido o mentor da doutrina confucionista que exerceu, tanto quanto se sabe, uma forte influência sobre toda a China e Ásia Oriental, ao aplicar a interpretação do Tao Té King de Lao Tsé às estruturas político-sociais e à filosofia moral humana.
No I Ching encontram-se, assim, as raízes do Confucionismo e do Taoísmo como afirma o sinólogo alemão Richard Wilhelm que entre outros teve o mérito de traduzir e trazer para o Ocidente o I Ching - O Livro das Mutações: "Tudo o que existiu de grandioso e significativo nos três mil anos da história cultural da China (filosofia, ciência e arte de governar) ou inspirou-se neste livro ou exerceu alguma influência(...)". O Livro das Mutações teve a sua origem na prática oracular, mas, com o estudo e comentários de Lao Tsé e Confúcio, passou a assumir uma maior importância literária e filosófica como manual de sabedoria, tendo-se desenvolvido toda uma doutrina axiomática em torno dele.
A mutação é algo que está presente na manifestação da Vida e do Universo. O conhecido símbolo de Yin e Yang, que é designado no I Ching por "firme" e maleável", representa exctamente essa perpétua mudança em que o firme (Yang) se transforma na sua plenitude, no seu contrário maleável (Yin) e vice-versa." (in Do Tao da Memória - Em demanda da Memória Transpessoal)

Assim, os oito trigramas base representam a mutação possível entre um estado que vai do máximo Yin (linha aberta) para o máximo Yang (linha fechada) e vice-versa. O I Ching por sua vez estabelece uma combinação entre estes oito trigramas base estabelecendo sessenta e quatro hexagramas e combinações possíveis que por sua vez representam toda a mutação e estados possíveis da Vida Manifestada.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

devagar chegamos

1. "Não ter pressa é um dos segredos da saúde e da longevidade."
dr. Isaac Eliaz

2. Quando temos algum tempo livre podemos muitas vezes aproveitar para redecorar o espaço exterior - o interior demora mais tempo a refazer. Muitas vezes é suficiente fazermos pequenas mudanças: doarmos as bugigangas que fomos recebendo ao longo dos anos e que vão acumulando pó, ter plantas vivas e não secas porque elas simbolizam doença, construirmos o nosso próprio espaço onde estamos bem.

3. Mesmo vivendo acompanhados podemos construir o nosso espaço_ acabado o mito do igual vemos que as diferenças são salutares e geradoras de vida como os raios de sol_ diferentes e no entanto iguais, não fazendo distinção entre nenhum ponto geográfico da galáxia.


Algumas ideias básicas da decoração com Feng Shui para sua casa ou simplesmente para um determinado ambiente incluem: evitar salas pequenas, apertadas e muito cheias, para manter o projecto de fluxo livre. Evite longos corredores, porque a energia move-se muito rapidamente pelo corredor. Evitar iluminação excessiva. Escolha uma iluminação difusa. Coloque plantas saudáveis de uma forma decorativa por toda a casa. Organizar os sofás e cadeiras de um modo que permita às pessoas verem a porta e terem um ambiente muito agradável para conversarem. Tenha cuidado com a inclusão de muitas bugigangas. Isto pode significar a desordem e pode ser negativo. Decorar com os princípios de Feng Shui não é difícil, basta sentir o espaço e seguir algumas boas ideias do Feng Shui para decorar uma casa ou um ambiente de forma a ser bastante agradável para quem habita na mesma. (citação autorizada)

sábado, 8 de maio de 2010

feng shui na decoração


"Feng Shui significa vento e água, ou seja, é uma tentativa de viver em harmonia com as forças da natureza. Isso foi pesquisado por milenios para organizar a circulação energética nos ambientes. Todas as pessoas desejam ter uma casa onde se sintam bem, cheia de energias positivas. As nossas casas são o reflexo directo da forma como pensamos e sentimos sobre nós mesmos. O Feng Shui de decoração não é apenas a colocação de umas meras cortinas, a escolha das cores da pintura ou um apontamento decorativo longe de uma janela. O Feng shui aplicado na decoração é uma técnica que evoluiu bastante nos últimos anos tendo mesmo se tornado numa practica bastante solicitada pelos clientes. Existe uma elevada harmonia entre a decoração e Feng Shui. Uma decoração de Feng shui não se limita à colocação de uns bambus numa sala. Decorar com os princípios de Feng Shui envolve um movimento de energia e conseguir bloquear determinadas áreas para que a energia se move num ritmo equilibrado em torno de toda a casa. O Feng Shui irá usar todos os tipos de ferramentas para mover esta energia. Isso poderia envolver a decoração com espelhos, água, plantas, cor, som, aroma, e muito mais."

artigo publicado com a autorização 
da 4udecor DECORAÇÃO DE INTERIORES em lisboa, Portugal

imagem_a chave

no blog da escritora Rita Ferro

quinta-feira, 6 de maio de 2010

canada- portugal-shangai


1. Começou em Shangai a expo universal_  o Canada com o tema: “Better City – Better Life”_ duração da exposição: 184 dias – de 1 de Maio a 31 de Outubro de 2010, dia 6 de Junho será o dia de Portugal, alguns portugueses de Leiria vão até lá em land rover.

terça-feira, 4 de maio de 2010

AZUL_feira do livro de lisboa.pt

Comecei pela cor azul na banca CO2, qual alpinista que vai subir o Evereste da Leya, entremeado pelas bancas de hotdog e quejandos. Foi como percorrer a rua do ouro sob o olhar do M.Pombal, que jaz na Ajuda.

Resolvi deixar a rua da prata para outro dia_ conheço bem demais a cor amarela.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

respirar

O nariz tem um lado  direito e um esquerdo; usamos ambos para inspirar e expirar.

 Na verdade eles são diferentes: o direito representa o sol, o esquerdo, a lua. 

Durante uma dor de cabeça, tente fechar a narina direita e usar a esquerda para respirar.

dentro de cerca de cinco minutos a dor de cabeça deve ir embora.


Se você se sente cansado, faço o contrário: feche a narina esquerda e respire pela direita. Num instante sentirá sua mente aliviada. 

O lado direito pertence ao "quente" (Sol) por isso esquenta rapidamente, o esquerdo pertence ao "frio"(Lua)

A maior parte das mulheres repira com o lado esquerdo do nariz, então se resfriam rapidamente.

A maioria  dos homens respira pela narina direita e isso os influencia.

Repare no momento em que acordamos, qual dos lados  respira  melhor , ou   mais? Direito ou esquerdo? 

Se for o esquerdo você se sentirá cansado.
 

Então, feche a narina esquerda e use a direita para respirar, você se sentirá aliviado rapidamnete.

Isso pode e  deve ser ensinado às crianças, mas é mais efetivo quando praticado por adultos. 

Meu amigo costumava ter fortes dores de cabeça e sempre ia ao médico.

Houve um tempo em que sofria de dores de cabeça literalmente todas as noites,ficando incapacitado para estudar


Ele tomava analgésicos , mas  não funcionavam.

Ele decidiu tentar esta terapia de respiração: fechava a narina direita e respirava pela esquerda.

Em menos de uma semana sua dor de cabeça foi-se. Continuou o exercício por um mês.

Essa terapia alternativa natural, sem medicamentos é algo em que ele tem experiência. 

Então, por que não tentar?



domingo, 2 de maio de 2010

TAO - O reino das não-coisas

Sobre o TAO....

Dedico esta crónica a quem busca ou encontrou a sua Essência.

"Olhando, não se vê, chama-se-lhe o invisível;
Escutando-o, não se ouve, chama-se-lhe o inaudível.

Tocando-o, não se sente, chama-se-lhe o impalpável.
Estes três estados, cuja essência é indecifrável,
Confundem-se finalmente num só.

A sua face superior não é iluminada,
A sua face inferior não é obsecura.
Eterno, não pode ser nomeado,
Assim pertence ao reino das não-coisas.
É a forma sem forma e a imagem sem imagem.
É fugidio e inatingível.
Acolhendo-o não se vê a sua face;
Seguindo-o, não se vêem as suas costas.

Quem toma a direcção do antigo Tao
Dominará as contingências actuais.
Conhecer o que é a origem
É atingir o ponto nodal do Tao"

Lao Tse, Tao Te King

sábado, 1 de maio de 2010

o bom da soja

Celeiro-Dieta

http://www.celeiro-dieta.pt/


A origem da soja, como alimento, remonta a mais de 4000 anos. É um dos produtos alimentares base dos povos orientais, não só por questões religiosas e/ou culturais, mas também e, sobretudo, económicas. Quer na China quer no Japão, a importância que lhe é atribuída é enorme, a ponto de ser classificada como uma das "cinco sementes sagradas" (as outras quatro eram a cevada, o arroz, o trigo e o milho painço).

Do ponto de vista alimentar, as qualidades e as vantagens do consumo da soja são tão significativas, que esta leguminosa passou a desempenhar um papel cada vez mais importante na alimentação humana (no último biénio o consumo de soja aumentou acentuadamente ).

Várias questões se têm levantado em relação aos hábitos alimentares ocidentais. O aumento assustador das doenças cardiovasculares, que se reconhece estar cada vez mais estreitamente relacionado com o consumo exagerado de carne e/ou dos seus derivados contendo elevados teores de colesterol, foi um dos principais factores que levou à procura de alternativas alimentares às fontes de proteínas animais. Entretanto, um outro factor que veio contribuir para o evoluir da situação: a doença das "vacas loucas" ou BSE.

Mas afinal quais as são as características da soja que a tornam tão "atraente"? De uma forma resumida podemos apontar, como mais importantes, as seguintes:

  • A soja é um produto 100% vegetal;
  • À semelhança da carne, a soja é rica em proteínas e daí ser muitas vezes chamada "carne da terra" ou "carne vegetal" (cada 100g de grão de soja tem cerca de 32,8g de proteínas completas contendo todos os aminoácidos essenciais que o nosso organismo não é capaz de sintetizar);
  • Contrariamente ao que sucede com a carne e outros produtos de origem animal, a soja não contém colesterol, pelo que o seu consumo ganha peso numa alimentação preventiva das doenças cardiovasculares;
  • O grão de soja é rico em ácidos gordos poli-insaturados;
  • A soja contém elevado teor de fibras alimentares importantes para o bom funcionamento intestinal;
  • No grão de soja estão presentes sais minerais e vitaminas;
  • A soja contém lecitina, substância importante para o nosso organismo ao nível da célula nervosa e benéfica para o metabolismo do colesterol;
  • Da soja também se obtem o chamado "leite de soja", alternativa importante para quem é alérgico ao leite de vaca ou quem não o quer ingerir.


Mas para além destas inúmeras vantagens, foram feitos recentemente estudos, cujas conclusões tendem a associar o consumo de soja a uma diminuição de certas doenças. Por exemplo, verificou-se que nos povos orientais, comparativamente aos seus congéneres australianos, havia uma menor incidência de osteoporose e de cancros da mama e da próstata. Pensa-se, que tal se deve à maior ingestão, por parte dos primeiros, de peixe, legumes frescos, fruta e, principalmente, de produtos à base de soja, contrariamente ao que faziam os australianos, cuja alimentação incluia grandes quantidades de carne e gorduras animais. Tal discrepância parece dever-se à elevada quantidade de fito-esterogénos presentes nos grãos de soja.

Desde o "leite" à salsicha - a escolha é variada!

Para além da farinha, pães, bolos e massas enriquecidos com soja, já começam a ter bastante divulgação outros produtos mais elaborados, que permitem variar as refeições sem recorrer a produtos de origem animal. Estão neste caso os "hamburgers", enchidos diversos ("salsichas", "fiambre", "salame", etc. ), o tofu ( espécie de queijo de soja feito por coagulação das suas proteínas) e o "leite", em diversas variedades (simples, aromatizado, com suplementação de cálcio, biológico). Para os mais "gulosos" existem também sobremesas preparadas a partir da soja. De características mais tradicionais, outros produtos derivados da soja, típicamente orientais, são o molho de soja, o miso e o tempeth.

E, para ajudar os mais inexperientes na arte de cozinhar da soja, é possível encontrar livros de receitas no mercado que podem auxiliar num primeiro contacto.

Depois, dê largas à sua imaginação e ao seu gosto pessoal ! Bom apetite. ...e com boa saúde!


Pedro Lôbo do Vale
Médico

ESPARGOS (Asparagus Officinalis)

ESPARGOS (Asparagus Officinalis)

O espargo (Asparagus officinalis L.) é uma planta vivaz rizomatosa, pertencente à família das liliáceas, espontâneo em toda a bacia mediterrânica, conhecido desde tempos remotos pelas suas qualidades terapêuticas e diversidade gastronómica. É uma planta dióica, isto é, dá plantas femininas e plantas masculinas separadamente. Só as plantas femininas dão fruto, pequenas bagas avermelhadas. A sua textura é definida pela quantidade de fibras, sendo alguns demasiado fibrosos e, por isso, pouco apreciados na gastronomia. Os seus rebentos, conhecidos como turiões, rebentam directamente do solo (no Inverno). São a parte mais apreciada do espargo porque tenros, carnudos e comestíveis.

Existem vários tipos de espargos: brancos, verdes, violetas e violetas esverdeados.

Altamente terapêuticos, utilizados na prevenção e tratamento de várias doenças porque riquíssimos em sais minerais, aminoácidos e antioxidantes. São ricos em fibra, vitamina C, caroteno (provitamina A), vitaminas B1 e B2, vitamina E, ácido fólico, fósforo, cálcio, magnésio, ferro, zinco e potássio. São ricos em saponinas que actuam sobre as células cancerosas e o ácido fólico favorece a formação de glóbulos vermelhos. Muito pobres em calorias, não têm gordura nem colesterol, são especialmente indicados em dietas de emagrecimento, juntamente com o arroz integral. Têm propriedades rejuvenescedoras, tónicas e diuréticas, favorecendo a boa saúde das artérias, da pele, das unhas, do cabelo e dos ossos, da vista, do estômago, do coração e do sistema nervoso. Fortalecem a líbido e o cérebro.

Podemos encontrar espargos frescos, congelados ou em conserva. Devemos privilegiar o produto fresco e biológico que pode ser consumido cru ou cozinhado. Se cozinhado, deve ser cozido até estar tenro. No entanto, consumidos mal cozidos (apenas escaldados) ajudam a combater edemas, palpitações e, em especial, a diabetes! São essencialmente utilizados como diuréticos (devido à aspargina que contêm) e são também sedativos. O xarope de pontas de espargo é utilizado na hipertrofia do coração. Pode utilizar-se também a raiz do espargo em cozimento ou decocção, normalmente na proporção de 60 gramas para um litro de água (da nascente). Esta decocção é utilizada para activar o funcionamento das vias urinárias, bebendo-se duas chávenas por dia (uma de manhã em jejum e outra ao fim do dia). Alguns fitoterapeutas afirmam que os espargos se devem consumir crus, em saladas ou em sumo, uma vez que o ácido fólico se perde, em grande parte, com a cozedura.

O espargo é um alimento que deve ser evitado em caso de insuficiência renal e litíase úrica. Desaconselhado também em casos de reumatismo agudo e cistite.

Na gastronomia, podem ser utilizados em sumos, saladas, sopas, açordas, estufados e guisados. Duas sugestões culinárias:

Salada cozida: coza, em partes iguais e cortados em cubos muito pequenos, batata, cenoura, couve-flor e espargos. Tempere com azeite, 1 colher de sopa de mostarda de boa qualidade, 1 colher de chá de curcuma, alho e salsa picados.

Salada crua: numa salada variada (alface, agrião, cenoura ralada, rabanetes, salsa e coentros) junte as partes tenras dos espargos cortadas em pequenos pedaços. Tempere com azeite ou óleo de cânhamo, um pouco de vinagre de arroz e shoyu.

Paula Soveral (www.paulasoveral.net)

Presidente da Direcção Técnica da Sociedade Portuguesa de Naturalogia

Bibliografia consultada:

“Medicina Popular”, João Ribeiro Nunes, Litexa Editora

“Coma e Cure-se”, Dr. Andrei Dracea, ed. Bodywell

artigo “Espargo-Bravo”, Miguel Boieiro

NOTA: artigo escrito para a Revista Vegetariana (www.revistavegetariana.com)