lacoste

lacoste

domingo, 28 de agosto de 2011

a ilusão

da transparência entre pais e filhos pode provocar mais danos reais e colaterais do que simples fantasias.  O psicólogo David Anderegg num recente artigo no NYT,   "Moving On With Our Lives" declara que decidir o que contar ou não do pasado aos filhos é uma decisão pessoal que reflete a forma como lidamos com o que vivemos: "The point is not the telling, or when. The point is, we have to manage our own losses so we can say to ourselves, yes, I lived that, and it is now gone, and I am sad, but I can go on without it. If we can do that, our kids will be fine, no matter what we tell them or when. If we can’t do that, they will feel a big hole in Mommy or Daddy, whatever the information, that they will always feel they need to fill."

Por outro lado, no campo profissional ouvir as diferentes sensibilidades para escolher um sucessor é sempre frutuoso por exemplo, o Instituto "Mind and life" começou a sua transição de liderança para a nova geração, Adam Engle um dos fundadores com  Francisco Varela (já falecido)  tenciona retirar-se e pede para que façam sugestões numa opção de transparência. O novo dirigente encontrará não problemas mas sim um instituto de boa saúde capaz de continuar o trabalho iniciado há 25 anos atrás.

Claro que se algum dos leitores deste post tiver uma sugestão poderá fazê-lo com confiança:  "After perusing the career prospectus, contact bfisher@rll.com to express your interest or to suggest colleagues qualified for the position. All inquiries and expressions of interest are in strict confidence, of course."





quarta-feira, 24 de agosto de 2011

geração híbrida e solidária

O 1º poster é do colóquio em Lisboa, onde J. Martinho falou do nó múltiplo: da gravata ao sapato, o nó da personalidade múltipla de Pessoa e do livro "do eu solitário ao nós solitário"
colóquio Lisboa
colóquio Hamburgo mindfulness agosto 2011
Hoje em Hamburgo A. Wallace felicita a geração actual por poder ser híbrida, ou seja, podemos fazer mais do que uma coisa, oportunidade que a sua geração não teve. Hoje podemos meditar e estudar, escrever e trabalhar, ser cientista e  praticar meditação budista, ter personalidades múltiplas com nós ou sem_podemos escolher.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

entretanto

também no mundo budista acontecem eventos inesperados. Mingyur Rinpoche (foto) depois de vários anos a percorrer o mundo ensinando, decidiu retirar-se num mosteiro em junho e e em agosto e sem aviso desapareceu no meio da noite levando apenas a roupa do corpo e deixando 2 cartas: 1 para o Abade do mosteiro e outra para todos os seus alunos.
Talvez agora muitos entre muitos, terão a oportunidade de com ele se cruzarem sem saberem quem é e de beneficiarem da sua presença, breves palavras ou silêncios.



Mingyur: Yeah, I think nowadays we are facing big problem in the world, recession, global financial crisis.  And, the main message is, don't be upset about that.  Make friends. Don't try to hate, don't try to resist. Try to look different way, try to accept. If you just worry too much, situation gets worst, no benefit for you. For example, if the stock market going down, if you cry and pull your hairs, beat your chest, doesn't make stock market one dollar go up. In fact, situation get worst. This why, believe in your self, still you have a capability, still you have a wisdom, love, and power and strength. So try to use them, and go forward. ---------------------------Letting go is not giving up.          Thank you.




segunda-feira, 8 de agosto de 2011

songline

locais e musica_ construir a sua própria musica quando iniciamos a viagem até a um destino escolhido é o que nos sugere este bloger inglês que ao viajar até à escócia ouviu parsifal de wagner: " I chose Parsifal, the Good Friday Music from the third act, in which Gurnemanz tells Parsifal, the returning hero, how nature is a transcendent vision of God's benevolence.... When Gurnemanz leads Parsifal to the Grail ceremony for the first time in the opera, he sings: "You see, my son, here time becomes space."

por cá olhando ontem o tejo, o douro ou uma montanha imaginária, podíamos escolher ler alberto caeiro, álvaro de campos, viagens na minha terra de almeida garrett e por fim concluir que mesmo sendo o mundo uma ilusão, a vida humana é preciosa demais para ser desperdiçada em ninharias. A musica? É secreta.