quinta-feira, 12 de julho de 2012

boson | tinta especial

The Fantastic Machine That Found the Higgs Boson - In Focus - The Atlantic.


Talvez o Boson, a partícula de Deus, nos abra novas janelas de oportunidade, como por exemplo uma TV na parede controlada por iPad.
http://www.wired.com/gadgetlab/2012/05/nds-tv-of-the-future/
 
 Na cosmologia budista, o universo é infinito, não tem começo, nem fim. "Em cada átomo dos reinos do universo, existem vastos oceanos de universos." diz uma escritura budista. Muitos budistas entre eles o Dalai Lama  pensam que a física precisa de desenvolver uma epistemologia que ajude a a ultrapassar a linha ou gap que separa a experiência do dia a dia e a física quântica.

ler por ex. este livro onde encontramos uma visão budista do universo
o Dalai-Lama apresenta uma análise brilhante do motivo pelo qual é necessário seguir todas as vias de investigação - tanto científicas como espirituais - para alcançar uma imagem completa da verdade.


"[Dalai Lama pretende transmitir aos seus leitores] que a ciência não pode ser oposição à religião, à fé e à investigação empírica. É uma análise pessoal que Dalai Lama coloca como tributo aos seus mestres , com a certeza que a ciência e a espiritualidade confluem para um mesmo objectivo."JCS, Diário de Notícias

e um livro mais antigo "O infinito na palma da mão : budismo, ciência e salvação / Mathieu Ricard, Trinh Xuan Thuan" ed notícias, 2001. Os autores falam de mente aberta sobre fé e razão tentando encontrar pontos de união. Talvez no seu blog, M.Ricard um dia destes nos fale do boson.

E por fim e não menos significativo do admirável mundo em que vivemos esta nota retirado de um blog brasileiro que nos conta como um professor tenta que os alunos leiam "livros em papel" antes que desapareçam : Uma editora argentina, desenvolveu algo novo, “O livro que não pode esperar”. Eles usam uma tinta especial que dura só dois meses. Passado isso, as frases desaparecem e as páginas do livro ficam em branco."  aqui

Assim pudessem desaparecer muitas cartas que recebemos,  não é?!