lacoste

lacoste

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

lisboa em livro e cinema

1. "Pedi ao motorista para, a caminho de sintra, passar pelo Estoril. ... levou-me por uma estrada, a que chamou marginal, que serpenteia entre lisboa e cascais... Não devem existir muitas estradas no mundo tão bonitas como esta, acompanhando o rio e depois o mar, iluminada por uma luz límpida, esta luz tão rara que este país recebeu como uma dádiva de Deus. " p.197 " enquanto salazar dormia...de domingos amaral


2. um terraço com vista para o tejo, encontro de fim e começo de vida, uma luz que termina no céu de lisboa, não sem antes iluminar um novo caminho a um jovem, tema simples e redentor, positivo da lisboa de 2013.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

meditar andando

A Meditação Budista Andando
Autor: Thich Nhat Hanh
A meditação andando pode ser muito agradável. Caminhamos lentamente, sozinhos ou com amigos, se possível num belo local. A meditação andando tem como verdadeiro objetivo o prazer em caminhar - anda-se não para se chegar a algum lugar, mas só pelo andar. O propósito é o de se estar no momento presente, tendo plena consciência da respiração e da caminhada, e de se apreciar cada passo. Para isso, devemos nos livrar de todas as preocupações e ansiedades, não pensar no futuro, nem no passado, só vivendo o momento presente. Podemos andar de mãos dadas com uma criança. Caminhamos passo a passo como se fôssemos os seres mais felizes da Terra. A meditação andando é uma prática maravilhosa.
Quando fazemos meditação andando ao ar livre, caminhamos um pouco mais devagar do que nosso ritmo normal e coordenamos nossa respiração com nossos passos. Por exemplo, podemos dar três passos para cada inspiração e três passos para cada expiração. Podemos, então, dizer, "Inspirando. inspirando, inspirando. Expirando, expirando, expirando." Dizer "Inspirando" serve para nos ajudar a identificar a inspiração. Sempre que chamamos algo pelo seu próprio nome, estamos tornando-o mais real, como quando dizemos o nome de um amigo.
Se os seus pulmões preferem quatro passos em vez de três, dê-lhes quatro passos, por favor. Se eles querem apenas dois, dê-lhes dois. A duração da sua inspiração e da sua expiração não tem de ser a mesma. É possível, por exemplo, que você dê três passos ao inspirar e quatro ao expirar. Se você se sentir feliz, sereno e alegre enquanto caminha, é porque está se exercitando corretamente.
Esteja atento para o contato entre os seus pés e a Terra. Caminhe como se estivesse beijando a Terra com os pés. Já prejudicamos muito a Terra. Agora é a hora de cuidarmos bem dela. Trazemos nossa paz e nossa serenidade à superfície da Terra e compartilhamos a lição do amor. É tendo isso em mente que caminhamos. De quando em quando, ao ver algo bonito, podemos querer parar para contemplação - de uma árvore, uma flor, crianças brincando. Enquanto olhamos, continuamos atentos à nossa respiração, para não sermos enredados por nossos pensamentos e assim perdermos a beleza da flor. Quando quisermos voltar a andar, é só começar de novo. Cada passo que dermos criará uma brisa fresca, renovando nosso corpo e nossa mente. Cada passo fará uma flor se abrir aos nossos pés. Isso só é possível se não pensarmos no futuro nem no passado, se soubermos que a vida só pode ser encontrada no momento presente.
dica: http://andarencantado.blogspot.pt/

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

poema de uma monja thay


"Today’s rain was yesterday’s tears.
How many comings, goings, joys, and pains?
Tears of life after life fill the four oceans.
Today’s tears are tomorrow’s rain.
Penetrating the mountains and rivers
to nourish all life on earth.
Parting with loved ones in the rain,
your tears and mine are not separate.
Sending an only daughter on the Noble Path.
What vast, open hearts!
To have encountered you in this life,
I live each moment in gratitude.
Your teachings of kindness since young
watered the seeds of love in me.
Now it is time to return
the sapling to the forest.
Along with brothers and sisters,
we will grow, flower, and offer fruits.
The sun shines through the rain,
amidst tears, I smile.
Immersed among my sisters,
we joyfully cook for the Sangha.
Today is the first day of Summer Opening.
Friends from the four oceans have arrived.
Thanks to the virtues of my loved ones,
I am now a student of the Awakened One.
May you often think of your beloved daughter,
may we awaken our buddha nature.
Across time and space we walk together,
to offer what is true, good, and beautiful.
The Hair Comes Off - ordination head shaving
Thay “blessed” the water that represents the nectar of compassion, and sprinkled it on our head with a rose. I felt the coolness, and thought, “luckily we are ordaining in Summer. I say goodbye now as Emyo (and soon goodbye to personal email account, phone, laptop).
And I say hello as Sister Linh Di, and enter a life of listening to birds, hanging underwear in discreet ways, chanting “Namo” with tears, enjoying 15 buttons several times a day, cooking hummus for 300, breathing with sobbing friends in Dharma Sharing, bowing to little children who stop running to bow to the nuns, being reminded by the robe to put my heart into each step I take…
With love and gratitude,
Sister Linh Di
Sister Linh Di on her ordination day with Thay
What’s the point of walking meditation? Why do I practice sitting meditation? Because I like it. There’s no point doing these practices if you don’t enjoy them. It’s not hard labour. Every breath can bring us peace, joy and freedom. — Thich Nhat Hanh

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

feijão preto. br

Dez entre dez brasileiros preferem feijão
Esse sabor bem Brasil
Verdadeiro fator de união da família
Esse sabor de aventura
Famoso Pretão Maravilha
Faz mais feliz a mamãe, o papai
O filhinho e a filha
Dez entre dez brasileiros elegem feijão
Puro, com pão, com arroz
Com farinha ou com macarrão
Macarrão, macarrão !
E nessas horas esquecem dos seus preconceitos
Gritam que esse crioulo
É um velho amigo do peito
Feijão tem gosto de festa
É melhor e mal não faz
Ontem, hoje, sempre
Feijão, feijão, feijão
O preto que satisfaz
Tempo das Frenéticas e da novela "Feijão Maravilha", 1979

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

rupert sheldrake

Genes can be "switched off" by the methylation of the DNA itself or of the proteins that bind to it.
link

Excerpts From the Book

Appendix from the Second Edition
Controversies with skeptics about the unexplained powers of animals.

Description

Many people who have owned a pet will swear that their dog or cat or other animal has exhibited some kind of behavior they just can't explain. How does a dog know when its owner is returning home at an unexpected time? How do cats know when it is time to go to the vet, even before the cat carrier comes out? How do horses find their way back to the stable over completely unfamiliar terrain? And how can some pets predict that their owners are about to have an epileptic fit?


With a scientist's mind and an animal lover's compassion, Sheldrake compellingly demonstrates that we and our pets are social animals linked together by invisible bonds connecting animals to each other, to their owners, and to their homes in powerful ways. Sheldrake's provocative ideas about these social, or morphic, fields explain the uncanny behavior often observed in pets and help provide an explanation for amazing animal behavior in the wild, such as migration and homing.