lacoste

lacoste

terça-feira, 11 de abril de 2017

recordando agostinho da silva

É interessante pensar que para Salazar  o exílio interno era no Algarve: com residência fixa. Foi para lá que foi enviado A. da Silva (Porto,13 Fev 1906 // lisboa, 3 Abr 1994). Crente no Culto do Espírito Santo e no quinto império. Utopista como só um português sabe ser ao dizer: "Tudo isto é triste, tudo isto é fado.

diz o artigo sobre
Agostinho da Silva: "Amado e Mal-Tratado",


"O paradoxo de Agostinho hoje, é que ele é simultaneamente amado e mal-tratado. Amado e querido por muitos dos que o leram, que viram as suas entrevistas televisivas, que privaram com ele e foram amigos dele. Mal-tratado, quer por parte de certa “inteligentzia nacional” (a que já estamos habituados), mas sobretudo pelas instituições públicas."
ou Paulo Borges link
"O que segundo Agostinho se manifesta no culto popular do Espírito Santo, invocação do absoluto para além das suas diferentes representações, religiosas ou não, é que o sentido último de toda a religião é a união do humano e do divino,fazendo com que uma vida religiosa só seja verdadeira quando, seguindo uma determinada via para tal, reconhece que todas as outras, e todos os que as seguem, visam o mesmo fim, sendo vias equivalentes à sua e viandantes semelhantes a si, como caminhos e caminheiros que, partindo de diferentes pontos no sopé de uma montanha,vêm convergir,encontrar-se e unir-se no cume."





citações: "Nem paz nem felicidade se recebem dos outros nem aos outros se dão. Está-se aqui tão sozinho como no nascer e no morrer; como de um modo geral no viver, em que a única companhia possível é a daquele Deus a um tempo imanente e transcendente e a dos que neles estão, a de seus santos."

menos conhecidas mas interessantes são as biografias feitas por A. da Silva Âncora editora

Uma coisa pretendi pôr em relevo – a vitória do homem sobre o mundo interno e externo. O que há de forte na personalidade humana. Sem uma falsificação psicológica das figuras. (...) aqui, a minha atitude não é a de romancista. (...) Eu quis, acima de tudo, dar evidência à feição combativa e vitoriosa de certas vidas. Mostrar ao homem de hoje, que vacila ou que procura orientação, as directrizes de alguns dos seus predecessores. Agostinho da Silva, 1944 :
 VIDAS DE HOMENS CÉLEBRES (1937-1946)
- A VIDA DE MOISÉS
- CINCO FALAS DE GENTE PASTORIL
-  A VIDA DE PESTALOZZI
 - A VIDA DE FRANCISCO DE ASSIS
 - A VIDA DE LINCOLN
- VIDA DE PASTEUR
- VIDA DE ZOLA
- A VIDA DE WASHINGTON
- VIDA DE ROBERT OWEN
- VIDA DE FRANKLIN
- VIDA DE MIGUEL ANGÊLO
- VIDA DE LAMENNAIS
- VIDA DE LEOPARDI
- VIDA DE LEONARDO DA VINCI
- VIDA DE WILLIAM PENN



sites: http://www.agostinhodasilva.pt/
facebook: https://www.facebook.com/agostinhosilvacitacoespensamentos/?fref=nf